porto velho - ro, 21 Setembro 2019 15:55:07
    Saúde

    Sarampo: casos no país sobem para 1845 e chegam a 11 estados

    Todas as crianças de seis meses a menores de 1 ano de idade devem ser vacinadas contra a doença em todo o país

    Por Veja
    A-A+

    Publicado: 20/08/2019 às 17h06min

    Nesta terça-feira, o Ministério da Saúde anunciou 1.845 casos confirmados de sarampo no país até o dia 18 de agosto. O número é 32% maior que os 1.388 casos divulgados na última quarta-feira (14). (//iStock)

    Nesta terça-feira, o Ministério da Saúde anunciou 1.845 casos confirmados de sarampo no país até o dia 18 de agosto. O número é 32% maior que os 1.388 casos divulgados na última quarta-feira (14). Surtos da doença já atingem 88 cidades de 11 estados: São Paulo (1.662), Rio de Janeiro (6), Pernambuco (4), Bahia (1), Paraná (1), Goiás (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Sergipe (1) e Piauí (1).

    Diante disso, a partir desta quinta-feira (22), todas as crianças de seis meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo em todo o país. A medida tem caráter preventivo e busca intensificar a vacinação desse público-alvo, que é mais suscetível a casos graves e óbitos. A ação é uma resposta do Ministério da Saúde ao aumento de casos da doença em alguns estados. O objetivo é vacinar 1,4 milhão de crianças nessa faixa etária que não receberam a dose extra, chamada de ‘dose zero’.

    Vale ressaltar que essa dose não substitui as doses previstas no calendário nacional de vacinação da criança que devem ser aplicadas aos 12 meses de idade e as 15 meses de idade. Sendo assim, além dessa dose inicial, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral aos 12 meses de idade e a tetra viral ou a tríplice viral + varicela aos 15 meses de vida.

    Além de vacinar as crianças na faixa etária prioritária, o Ministério da Saúde, orientou estados e municípios a realizarem o bloqueio vacinal. Ou seja, em situação de surto ativo do sarampo, é preciso vacinar todas as pessoas que tiveram ou tem contato com aquele caso suspeito em até 72 horas. Neste caso, recomenda-se que sejam realizadas de forma seletiva. Ou seja, quem já está vacina e tem como comprovar isso, não deve ser revacinado.



    Escreva um comentário