Porto Velho/RO, 22 Novembro 2021 01:44:08

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 16/10/2021 às 09h46min | Atualizado 16/10/2021 às 09h47min

A- A+

Teremos uma eleição em Rondônia no ano que vem repleta de incertezas 

Música e matemática A vigilância sobre a Amazônia por meio das artes não é coisa nova. Desde a inauguração do Teatro Amazonas, em..

Música e matemática

A vigilância sobre a Amazônia por meio das artes não é coisa nova. Desde a inauguração do Teatro Amazonas, em 1896, a região estabeleceu sólidas relações com artistas do mundo todo. Mas não deixa de ser surpreendente a informação de que a orquestra brasileira BIO (Burned Instruments Orchestra, Orquestra de Instrumentos Queimados) promove apresentações na Europa que se destacam pela originalidade: o uso de madeira queimada na região na composição dos instrumentos.
A estreia se deu no Festival Culturescapes 2021 Amazonia, com eventos distribuídos pela Suíça, França e Alemanha. É mais um reforço ao batalhão de cientistas e ambientalistas que por satélites ou pesquisas de campo se somam à mídia e às redes para manter a Amazônia em evidência pelo planeta. Pode-se gostar ou não da música feita pela orquestra de instrumentos queimados, ouvi-la ou evitá-la, mas será impossível fugir de um novíssimo instrumental de vigilância sobre a região que não depende de gosto ou preferência e não se pode simplesmente refutar como opinião contrária: os modelos matemáticos.
Mais um torpedo da ciência contra o descuido com o clima, começaram avisando que multidões amazônicas estão sob risco de calor extremo nas próximas décadas. Quem preza os filhos e netos não pode ignorá-lo. É o tipo da aposta em que pagar pra ver custará muito caro. Quem apostou contra a pandemia perdeu.

Eleições 2022

Teremos uma eleição em Rondônia no ano que vem repleta de incertezas. O cenário político estadual está todo nublado para o pleito de 2022 por conta das novas regras eleitorais, do racha do bolsonarismo envolvendo pelo menos três candidatos alinhados com o presidente na busca do CPA Rio Madeira. Não bastassem tantas incógnitas ainda temos a janela partidária que se abre em março, permitindo aos parlamentares a troca de siglas, sem a justa punição definida pela legislação eleitoral. Com tantas indefinições fica muito difícil apontar caminhos, definir pesquisas. São tantas as indagações ainda sem respostas e algumas só devem ocorrer nas convenções de julho.
Terras caídas
O fenômeno das terras caídas – erosão com desbarrancamento dos rios – cresceu 67 por cento com relação aos anos anteriores na calha dos rios Madeira, Purus, Solimões e Amazonas. Os municípios mais atingidos pelo evento no Amazonas são Parintins, Amaná, Tabatinga, Amaturá e Tonantins. Em Rondônia, os distritos da zona ribeirinha de Porto Velho, como São Carlos e Calama tem sido as maiores vítimas do evento. Novos núcleos urbanos foram projetados para atender suas populações por orientação do Ministério das Cidades ainda em 2015, mas até gora não saíram do papel, assim como as prometidas barreiras de contenção na orla do Rio Madeira.

Ciro x PT

Na busca de se firmar como uma terceira via viável, o presidenciável do PDT Ciro Gomes desferiu ataques estratégicos aos petistas despertando a ira de Lula, Dilma e cia. Mas não tem nada de transloucado no ato, como se propalou em alguns círculos de esquerda. A medida é respaldada em pesquisas criteriosas e é interessante para ele (pelo menos neste momento) se colocar como um antipetista, pois quem tem reinado neste segmento é apenas o presidente Jair Bolsonaro. Portanto o marketing de Ciro apontou um caminho, ou seja, atrair um naco dos antipetistas para seu balaio pode fazê-lo crescer nas pesquisas. Se fazer amiguinho do PT, seria ficar a reboque de Lula e estacionar nas sondagens eleitorais. E no segundo turno são outros quinhentos.
A imigração
Só no primeiro semestre deste ano os americanos barraram cerca de 21 mil brasileiros na fronteira do México com os Estados Unidos, numa clara demonstração que estamos diante de uma nova corrida migratória para a terra do Tio Sam. Menos rígido que seu antecessor Donaldo Tramp com relação a questão imigratória, o atual presidente dos EUA Joe Biden se verá obrigado agora a reforçar as paliçadas do País para conter a explosão de indesejáveis brasileiros, haitianos, cubanos, venezuelanos. Algumas providências já foram tomadas: Biden tem enviado de volta diariamente aviões lotados de imigrantes expulsos ao Brasil.

No controle

Depois de dominar fronteiras importantes entre o Brasil e o Paraguai – regiões de Foz e Ponta Porã – controlando o contrabando, a venda de drogas e de armas pesadas para os morros do Rio de Janeiro e São Paulo, as facções criminosas voltam suas atenções para as fronteiras brasileiras com a Bolívia, Peru e Colômbia. Neste contexto, as facções transformaram Porto Velho numa grande Ceasa do abastecimento das drogas. A capital rondoniense recebe cocaína dos países vizinhos abastecendo a região e fomentando uma forte conexão de drogas com o Nordeste, assim como também remete o pó ao Sul maravilha, recebendo de lá a maconha paraguaia. É coisa de louco!

Via Direta

Voltam os debates sobre a legalização dos cassinos no Brasil. Caso forem liberados, as viagens de apostadores com destinos como Assunção (Paraguai), Punta del Leste (Uruguai) e Las Vegas, nos Estados Unidos vão sofrer uma grande queda O ex-senador da República Amir Lando e o ex-prefeito de Porto Velho Carlinhos Camurça estão ensaiando volta ao cenário eleitoral no pleito do ano que vem. Já estão na fase de visitações aos correligionários. O ex-prefeito de Ji-Paraná Jesualdo Pires (PSB) segue catimbando o jogo sobre sua participação nas eleições do ano que vem. Tem sido especulado para disputar novamente uma cadeira ao Senado, ser candidato a vice de algum postulante ao CPA de ponteira e até mesmo para disputar uma cadeira à Câmara dos Deputados. Segue o mistério…


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas