Porto Velho/RO, 09 Dezembro 2020 12:33:09

DaniConstantino

coluna

Publicado: 09/12/2020 às 12h33min

A-A+

TEXTO NOSSO DE CADA DIA 

Prefira frases curtas, sentenças na forma positiva, opte pela voz ativa, escolha termos específicos, use palavras concretas, limite os..

Prefira frases curtas, sentenças na forma positiva, opte pela voz ativa, escolha termos específicos, use palavras concretas, limite os adjetivos, persiga a frase enxuta, seja conciso, use frase harmoniosa, busque clareza e o máximo de legibilidade. Essas são algumas dicas do livro “A Arte de Escrever Bem” (Dad Squarisi e Arlete Salvador). Quantas dicas semelhantes a essas nos deparamos quando vamos escrever algo importante ao buscar orientação? Várias. Sempre no anseio de definir o que escrever e como escrever para receber aprovação em algo.

Sabe aquele momento, quando você está diante do TEXTO DA SUA VIDA? Aquele momento em que um texto carrega o peso de todo seu futuro. Você tem um objetivo, um desejo profissional e para alcançar, precisa escrever. E  de repente, você só tem uma oportunidade para entregar o seu melhor, em algumas linhas, frases, palavras, no detalhe de uma simples pontuação. Conseguiu perceber a relevância, o peso e a carga que o texto tem?

Passamos por isso em diversas situações, seja ao redigir a redação do Enem, escrever um TCC, um artigo, uma dissertação, uma tese, matéria jornalística, até um e-mail de apresentação para uma oportunidade de emprego, pode ser decisiva, quando o assunto é escrever bem e persuadir com seu texto.

Porventura, essa carga pode interferir em nosso emocional e ocorrer aquela famosa “travada”, em que as palavras somem e o pensamento entra em confusão. Afinal, torna-se um momento decisivo que implicará no resultado final, que pode ser positivo ou negativo diante nosso desejo. Quando isso ocorre, o ideal é largar um pouco o texto, acalmar, fazer algo que relaxe a mente para depois retomar.

Devemos, inicialmente, nos concentrar em transcrever o que vem em nosso pensamento, da forma que vem. Depois, trabalhar para transformar essas ideias na escrita.  O texto deve fluir, e quando ele estiver fluindo, nossa produção vai sair de fato. Sempre acabaremos deixando passar algo, um erro de digitação, vamos engolir palavras, errar na concordância, esquecer uma vírgula, tudo isso é normal. O indicado é que se desenvolva o que tem em mente, para depois, fazer uma revisão e as devidas alterações no texto, sem perder a sequência de raciocínio.

É importante que façamos alguns questionamentos que vão direcionar a escrita do texto, se perguntar sobre quem é você, qual sua linguagem, seu posicionamento, seus valores, seus adjetivos, sua identidade, suas características e o que te faz único.  Entender sobre quem você fala, o que esse alguém deseja, suas características. E claro, neste contexto,  qual a situação de discurso envolvida, de onde eu falo, o que é mais adequado. Comportamentos, formatos, elementos necessários, nível de formalidade, o que não pode faltar, o que não pode fazer, também são relevantes. Se conseguirmos ponderar esses fatores, poderemos definir como poderá ser a escrita de qualquer tipo de texto.

O texto estará claro para quem lê, quando tiver ideias bem articuladas e objetivas. Para isso, devemos levar em consideração uma seleção cuidadosa das palavras, seguindo uma coerência. Qualquer tipo de produção textual, sem exceção, necessita de sentido, significado, ou seja, precisa ser coerente. Necessitando considerar não só as correções ortográficas e gramaticais, mas também a análise textual, a abordagem construída a partir da colocação das ideias. E quanto ao seu tamanho, se deve ser um texto curto ou longo: o importante é que ele siga a “profundidade exigida” e que “ele tenha o tamanho que ele merece”.


Deixe o seu comentário

sobre Dani Constantino

[email protected] e professora de Língua Portuguesa, mestre em Letras pela Universidade Federal de Rondônia - Unir. Atualmente é redatora da Secretaria de Estado da Educação de Rondônia – Seduc/RO. Atuou como jornalista do Departamento de Estradas de Rondônia (DER). Desempenhou a função de jornalista na função de gestora de redes sociais da assessoria de comunicação da Seduc/RO. Desenvolve pesquisas na área da Análise de Discurso (AD), em Estudos de Processos Discursivos.