porto velho - ro, 21 Julho 2019 23:42:49
Geral

Troca de mensagens com ameaças a escola no DF suspende aulas

Uma troca de mensagens via Whatsapp, na qual quatro estudantes tramavam cometer atentados no Centro Educacional Gisno, escola pública no..

Por Agência Brasil
A- A+

Publicado: 18/03/2019 às 16h12min

Uma troca de mensagens via Whatsapp, na qual quatro estudantes tramavam cometer atentados no Centro Educacional Gisno, escola pública no Plano Piloto, em Brasília, resultou no cancelamento das aulas matinais, prejudicando a rotina dos estudantes que cursam o ensino médio no colégio. A Polícia Civil informou que o caso será submetido à apreciação judicial e os menores poderão responder por ameaça e incitação ao crime.

Estudantes e pais de alunos se emocionam ao se reencontrarem em frente ao portão da Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, nesta segunda-feira (18)

As mensagens foram trocadas entre a noite de ontem (17) e a madrugada desta segunda-feira (18). Nelas, os estudantes — três deles de 17 anos e um com 18 — combinam “fazer uma competiçãozinha de quem mata mais” na escola. Um deles diz aceitar “fazer parte da linha de frente no massacre”, e outro detalha como o atentado deveria ser executado.

“Pelas janelas de trás (áreas de escoteiros), lançar bombas de gás lacrimogênio nas três primeiras salas, e efetuar disparos com revólver nas últimas a fim de colocar todos para correr. Depois dar a volta… eliminando todos que for possível, que estarão trancados por conta do portão”, recomenda uma das sete mensagens às quais a Agência Brasil teve acesso.

Em outra mensagem, um estudante disse já ter posicionado armas, bombas e munição em pontos estratégicos da escola.

Algumas das mensagens foram vazadas para um grupo maior de alunos e, em seguida, para a inteligência da Polícia Civil que, de imediato e com a ajuda de funcionários da escola, localizou um dos três menores, que depôs no início da madrugada de hoje.

Segundo o delegado chefe da Delegacia da Criança e do Adolecente (DCA-1), Vicente Paranahiba, foi feita uma vistoria na casa do estudante e nada foi encontrado. Ao acessarem o celular do menor, os policiais localizaram a conversa trocada com os outros três colegas, na qual o atentado estaria sendo tramado.

“Ele veio à delegacia acompanhado da irmã, que se apresentou como responsável. No depoimento, ele disse que a história não passou de uma brincadeira, e que não teria ‘coragem de fazer o que estava sendo tramado’. No entanto [durante a oitiva], ele teceu elogios ao atentado ocorrido em Suzano. Ao que parece, esses garotos foram negativamente influenciados pelo ocorrido em Suzano”, disse o delegado, referindo-se ao caso que resultou recentemente na morte de dez pessoas.

Problemas psiquiátricos
De acordo com a irmã, que acompanhou o estudante na condição de responsável por ele durante o depoimento feito nesta madrugada, o garoto apresenta problemas psiquiátricos, já tendo inclusive agredido a mãe, além de ter tentado suicídio. Ainda segundo a irmã, o garoto foi vítima de bullying, pratica que pode ter contribuído para aumentar sua agressividade.

Um outro estudante, ouvido já durante a manhã de hoje, também apresenta problemas comportamentais e familiares. “Um deles inclusive fez autoflagelação na mão, onde foi desenhada uma suástica”, acrescentou o delegado.

Estudantes
A Agência Brasil conversou com alguns estudantes do Gisno. Um deles, colega de sala do menor ouvido pela polícia nesta madrugada, confirma ter visto a autoflagelação, na qual foi feito um corte na forma de suástica na própria mão.

“Ele fala para todo mundo que é nazista, defende o Hitler, desenha suásticas e costuma andar com roupas militares e coturno”, disse o estudante, que cursa o 2° ano do ensino médio. Segundo esse estudante de 16 anos, morador do Riacho Fundo, cidade localizada a mais de 20 quilômetros da escola, o prejuízo para os alunos fica ainda maior pelo fato de muitos morarem longe e terem se deslocado até a escola sem saber que as aulas desta manhã foram canceladas.

O filho do pizzaiolo Gicélio Pereira da Silva recebeu as mensagens enviadas de madrugada e, com medo, decidiu não ir à escola. “Ele ficou com medo, e eu resolvi vir aqui para ver como está a situação. Graças a Deus meu filho é um garoto responsável e estudioso. A gente fica preocupado por ver o que tem acontecido por aí em decorrência desse culto à violência que temos visto por aí”, disse Gicélio.

“A meu ver os pais têm de acompanhar mais de perto o que seus filhos fazem, e mostrar que violência não é o caminho, mas um problema de nossa sociedade. Temos de parar de estimular tanta violência e tanto armamento”, acrescentou.

O professor Ricardo Andrade, que dá aulas de português para o 3° ano do ensino médio, disse ter testemunhado ameaças feitas por estudantes na escola que, segundo ele, “costuma receber alunos problemáticos vindos de outras escolas da rede pública”. “Já vi inclusive alunos ameaçando professores por meio de gestos que simulavam armas”, disse o professor.

Ele disse que muitos conflitos foram registrados na escola no ano passado, durante o período eleitoral. “Apesar de nunca ter manifestado qualquer posicionamento político, já fui ofendido por um estudante que me julgava simpatizante de uma corrente política, como se eu fosse condescendente com alguma corrupção”.

Até o final desta manhã, a polícia tentava localizar o terceiro menor de idade. Já o estudante maior de idade terá seu caso investigado pela 2ª Delegacia de Polícia.

A Agência Brasil tentou, sem sucesso, contatar a diretoria do Gisno.



Escreva um comentário