porto velho - ro, 22 Julho 2019 08:55:17

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 02/12/2018 às 07h19min

A- A+

Trocando a coca pelo cacau

Trocando a coca pelo cacau No mundo em ebulição, a pós-verdade derrubando o que se considerava consolidado, não chega a causar tanto..

Trocando a coca pelo cacau

No mundo em ebulição, a pós-verdade derrubando o que se considerava consolidado, não chega a causar tanto impacto a revelação de que Pitágoras não criou o teorema que leva seu nome, na verdade de remota origem babilônica.

Ainda na esteira da derrubada de aprendizados que se acreditava como verdades, o cacau era tido como originário da América Central, mas 1.500 anos antes do que se imaginava a matéria-prima do chocolate já era encontrada na Amazônia.

A confirmação chega acompanhada também pela notícia de que fazendeiros da região já abandonam a coca, preferindo produzir cacau. É a mais eficiente campanha antidrogas já feita: oferece ganhos seguros a partir de apoio concreto para a migração dos produtores de uma cultura ilegal, mas rentável para outra, legal e também com mercado em expansão.

O sucesso da iniciativa compensa o fracasso das custosas campanhas baseadas só em repressão. O mal dará um jeito de prevalecer se não houver inteligência no combate ao crime. Cobrar juros já foi um pecado imperdoável, punido com a condenação ao inferno. Hoje, legalizado, é o “perfume do capital”, segundo a máxima do Barão de Itararé.

………………………………….

Todos urrando

Além do Instituto de Previdência de Rondônia-Iperon em dificuldades e com problemas já projetados até no pagamento dos aposentados a partir de 2020, também o regime previdenciário do município de Porto Velho está urrando e a situação já preocupa o funcionalismo público municipal com  queixas endereçadas ao prefeito Hildon Chaves e ao presidente da Câmara Municipal Mauricio Carvalho.

Buscando emendas

Os prefeitos rondonienses já procuram os deputados e senadores eleitos

buscando recursos de emendas parlamentares do orçamento da União. Esta tem sido uma fonte importante de fundos para o atendimento de demandas sociais como saúde e educação e daí, a necessidade de se articular no Congresso. Mas o contingenciamento de recursos da União já é uma preocupação.

Relatório do Cimi

O Relatório do Conselho Indígena Missionário-CIMI apresentado na última sexta-feira em Porto Velho, com números relativos a 2017, a rigor não apresenta surpresas com relação aos anos anteriores: as invasões de terras por fazendeiros, madeireiros e políticos, a violência contra os povos indígenas, à saúde em frangalhos e a fome só tem aumentado. E as perspectivas são as piores possíveis para 2019.

Com otimismo

Depois de três anos em crise, com a posse do presidente Jair Bolsonaro e os primeiros indícios da retomada do emprego, o setor imobiliário de Porto Velho já se mostra otimista com melhores resultados para 2019. Os novos lançamentos, no entanto, são raros. O aluguel residencial reagiu, mas o comercial segue em baixa. Dezenas de corretores deixaram a atividade nos últimos anos.

Olho vivo

Que o caro cidadão de Porto Velho fique de olho vivo neste final de ano. São centenas de foragidos, outros tantos que receberão indultos, centenas de novos mandados de prisão a cumprir e por estas razões mais a falta de eficiência da segurança pública, o final de ano será de lascar. O poder público presenteia a população com caos na segurança e colapso na saúde. Salve-se quem puder!

Via Direta

*** Segue a revisão do Plano Diretor de Porto Velho cuja conclusão fica para o próximo ano *** A mobilidade urbana e o adensamento populacional figuram dentro deste planejamento *** Ainda existem indefinições sobre a situação de alguns deputados estaduais eleitos *** Alguns podem cair do poleiro antes da posse em fevereiro *** O ex-presidente da Assembleia Legislativa Carlão de Oliveira quer emplacar Laerte na presidência da Casa de Leis *** Seu filho Jean esta articulando tudo.


Escreva um comentário

Arquivos de colunas