Porto Velho/RO, 04 Fevereiro 2020 08:44:58

    CarlosSperança

    coluna

    Publicado: 04/02/2020 às 08h44min

    A-A+

    Um refresco na crise econômica que atravessamos

    Do inegociável ao negociável A soberania nacional é inegociável, mas para não melindrar os clientes estrangeiros e potenciais..

    Do inegociável ao negociável

    A soberania nacional é inegociável, mas para não melindrar os clientes estrangeiros e potenciais investidores é recomendável negociar acordos que favoreçam todos os lados. As políticas ambientais degringoladas por prevaricação e descuido podem ser redefinidas mirando vantagens para o Brasil em tais acordos. 

    Fará bem a todos aprimorar os meios de defesa da floresta, de combate aos criminosos que a infestam, sugam e devastam e principalmente atrair recursos para projetos de rápido aproveitamento sustentável da biodiversidade amazônica.

    Há dinheiro em pencas em fundos importantes. A gestora BlackRock, por exemplo, administra US$ 7 trilhões de ativos ansiosos por boas oportunidades, mas esse dinheiro não vai para onde o meio ambiente é maltratado. A sustentabilidade passou a ser o centro da estratégia de investimento da companhia. E vai desinvestir onde houver risco de insustentabilidade.

    É jogar dinheiro fora desprezar o “globalismo”, que de olho no clima bombardeia tudo que vem carimbado como prejudicial ao meio ambiente e aos povos da floresta. É inevitável descartar o que não funciona e agir por ações amigáveis e consensuais.

    Um exemplo é o Projeto Bem Diverso, parceria entre a Embrapa e o Programa da ONU para o Desenvolvimento, que com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente vai abrindo novos e sustentáveis horizontes.

    ………………………………………………………

    Novos rumos

    Com a entronização do advogado Oscar Dias de Souza Neto, na presidência do Diretório Municipal de Porto Velho do Podemos, a legenda começa a trabalhar em torno do lançamento de candidatura própria a prefeito – no caso o deputado federal Leo Moraes – e de uma chapa completa de postulantes a vereança. Toda comissão executiva foi trocada, com muitos novatos na vida partidária, o que é muito bom para a oxigenação da política rondoniense tão suja e mal lavada nos últimos anos.

    As paliçadas

    Com a possibilidade do ex-prefeito Kléber Calixto, o maior campeão de todos os tempos em percentuais de votos no estado de Rondônia disputar a eleição a prefeitura de Cerejeiras, no cone sul rondoniense, considerada  a Meca da soja, a atual prefeita Lisete Marth (PV), afilhada política do deputado estadual e cacique Verde Luizinho Goebel (Vilhena) já está reforçando as paliçadas e caçando alianças para se manter no cargo. Uma bela disputa se avizinha na cidade tocada pelo agronegócio.

    A prorrogação

    Os contribuintes de Porto Velho ficaram satisfeitos com a prorrogação do prazo  que concede descontos de 20 por cento do IPTU em cota única até 14 de fevereiro. A decisão do prefeito Hildon Chaves atendeu reivindicações  das associações de bairros, entidades representativas e do comércio, justificando que o início do ano tem sido muito difícil para o pagamento de tributos, mais matrículas e material escolar, IPVA e outras obrigações. Um refresco na crise econômica que atravessamos.

    As rivalidades 

    Já constato pelas mídias sociais as rivalidades tribais entre os adeptos dos principais candidatos à prefeitura de Porto Velho na eleição de outubro. Uma antecipação da corrida sucessória que não interessa a ninguém, mesmo aqueles que buscam a polarização desde já. Numa cidade onde nos últimos pleitos os favoritos levaram o pau dando lugar a zebraças, tudo pode acontecer, inclusive atingindo os ungidos destes que estão se estraçalhando como cães raivosos. Passa o tempo e o modus operandi de campanha não muda por aqui.

    Haja patos! 

    Por falar nos hábitos e costumes nas campanhas eleitorais na capital rondoniense, se sabe que a temporada de caça aos votos nestas bandas é inaugurada com pesquisas fajutas. Não é que os picaretas daqueles institutos que tradicionalmente fabricam os resultados já estão nas portas dos candidatos a prefeitos e vereadores? Quem paga mais leva e assume a liderança! Pior mesmo é quando os patos acreditam em pesquisas destinadas a um pleito ainda tão distante.

    Via Direta

    *** De volta do recesso parlamentar na última segunda-feira, o Congresso Nacional terá pauta extensa para votações caso não sejam interrompidas pelas folias de Momo*** Acredita-se que o recuo na geração de empregos em 2019 em Porto Velho será revertido neste ano. A expectativa é do comércio lojista local*** Impressiona o número de pastores evangélicos, radialistas e apresentadores de televisão na disputa por cadeiras de vereadores nos municípios rondonienses*** O ano de 2020 começa com os casos da malária e da dengue se multiplicando na região amazônica. Rondônia segue a toada*** O grupo político ligado ao senador Confúcio Moura e o deputado  federal Lúcio Mosquini já domina o comando do MDB e lidera a reação do partido*** Os Raupps e Tomás ficaram como meros coadjuvantes depois de quase duas décadas de hegemonia na agremiação.


    Deixe o seu comentário

    sobre Carlos Sperança

    Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

    Arquivos de colunas