Porto Velho/RO, 02 Junho 2020 22:40:52

José Luiz

coluna

Publicado: 31/05/2020 às 06h00min

A- A+

Uma verdade que dói

“Se estamos vivendo uma situação de calamidade pública, as ações de ajuda do governo não podem demorar,” frisa o senador Acir..

“Se estamos vivendo uma situação de calamidade pública, as ações de ajuda do governo não podem demorar,” frisa o senador Acir Gurgacz (PDT-RO). É verdade, as dificuldades que os pequenos e médios produtores rurais enfrentam para quebrar a costumeira burocracia e exigências na busca por recursos para custeio e investimentos nos estabelecimentos financeiros oficiais reforçam essa realidade, que dói na alma de quem produz alimentos em época de pandemia.

Eficiência que vem do campo

O Brasil enfrentou várias crises econômicas, políticas e sociais que desenvolveram uma inflação desenfreada, desemprego e sufoco para sociedade. Porém o único setor que manteve o País de pé e não fracassou foi o rural cumprindo com eficiência o seu papel de produzir alimentos, mesmo diante da ameaça desapropriação de áreas produtivas para reforma agrária. A reforma agrária como estava planejada tinha tudo para não vingar como de fato aconteceu, desaparecendo naturalmente dos discursos da turma dos ditos progressistas. Mas a eficiência no campo prosseguiu.

Salvando à Pátria

Neste momento de angustia que ninguém sabe afirmar com precisão o que vai acontecer diante do desconhecido coronavirus, só resta voltar o olhar para o agronegócio que mais uma vez salvará o País. Aos agricultores, gaúchos, paranaenses, mineiros, paulistas, goianos e rondonienses que já escreveram páginas memoráveis na história econômica desta Nação, lhes está reservada novamente à missão de salvar Pátria.

Só daqui a 60 anos

Para a presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Teresa Cristina Vendramini, no ritmo lento que caminha a regularização fundiária no Brasil, será concluída só daqui a 60 anos. A grande quantidade de pequenos e médios agricultores em Rondônia que aguardam a mais de 50 anos pela titulação de suas áreas, por certo, terão que aguardar sentados mais algumas décadas.

Reinventar o sistema produtivo

Muitas instituições estão usando as ferramentas tecnológicas para reinventar e melhorar a produtividade no campo nessa época de pandemia. Assim, o Sistema OCB Sescoop presidido pelo Salatiel Rodrigues vem abordando com Lives temas importantes para capacitar cooperativas e cooperados, nos 52 municípios que totalizam mais 200 mil sócios em todo o estado de Rondônia.

Um pouco diferente

Muita burocracia, o Banco do Povo vem fazendo a diferença no atendimento aos micros e pequenos empreendedores rurais e urbanos liberando uma média de 80 a 100 financiamentos por semana. Manoel Serra, com uma equipe enxuta realiza um trabalho que faz a diferença.

Finalizando

De tudo que se lê na imprensa escrita, observa o noticiário nos rádios e nas televisões, a conclusão é uma só: o mundo depois de coronavirus não será o mesmo. Para sobreviver grandes e pequenos terão que ser mais solidários uns com os outros. E, ainda é necessário se reaprender a realizar muito com pouco. Boa leitura e bom final de semana.


Deixe o seu comentário

sobre José Luiz Alves

Colaborador do Diário da Amazônia - José Luiz Alves, é jornalista. Apresenta aos sábados das 6h às 8h na Rede Tv Rondônia! o programa Campo e Lavoura, com informações ao homem do campo e produtores rurais, em cadeia com seis emissoras de rádios para todo o Estado de Rondônia.

Arquivos de colunas