Porto Velho/RO, 28 Agosto 2020 09:21:02

SolanoFerreira

coluna

Publicado: 28/08/2020 às 09h20min

A-A+

Violência cresce e indica ressurgimento do racismo

As mortes violentas revelam a natureza depravada humana que não corresponde ao valor da vida. Desde os primórdios, as rivalidades..

As mortes violentas revelam a natureza depravada humana que não corresponde ao valor da vida. Desde os primórdios, as rivalidades pessoais são resolvidas em conflitos que partem de falações infames à consumação do crime contra a vida. O que leva o ser humano a agir assim, tem sido motivo de diversas inquietações resultantes dos mais diferentes estudos e pensamentos. No entanto, à medida que cresce a humanidade, também cresce a maldade refletida em diversas violências.

Existem fatores que não conseguem obter explicações lógicas ou racionais que justifiquem as ações. Outros pressupostos são respondidos nos relatórios à medida da interpretação que se dá, mas em todos, o indício aponta que o ser humano continua violento contra o semelhante. É visível que faltam políticas públicas que possam amenizar a violência, mas a solução definitiva caminha tão longe quanto o entendimento das razões aos crimes.

No Atlas da Violência 2020 divulgado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) juntamente com o FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública) traz como novidade, na leitura dos dados por gêneros, que as mortes violentas contra as pessoas negras foram maiores, entre 2008 e 2018, atingindo 37,8% enquanto que a taxa entre não negros (brancos, amarelos e indígenas) atingiu queda de 12,9%.

O indicador de racismo na população torna os dados ainda mais preocupantes demonstrando alteração no comportamento preconceituoso dos brasileiros. Mesmo que considerem que o racismo tem ascensão no momento em todo o mundo, os embates étnicos despertam preocupação para outros grupos sociais, além das cores, chegando à religiosidade, diferenças de classes sociais, correntes filosóficas e políticas, enfim, se faz necessário refletir sobre os dados e criar meio de evitar sangrentos conflitos desnecessários e infrutíferos para a vida humana na terra. Toda intolerância torna agressiva.


Deixe o seu comentário

sobre Solano Ferreira

Editor-Chefe do Diário da Amazônia. Comunicador Social e Marketing/ Mestre em Geografia. Atua na Gestão Estratégica e Gerenciamento de Crise.

Arquivos de colunas