porto velho - ro, 24 Maio 2019 05:09:17

José Luiz

coluna

Publicado: 10/03/2019 às 06h00min

A- A+

Visão assustadora!

As imagens de satélite mostrando as cheias nos municípios de Nova Mamoré e Guajará-Mirim revela uma visão assustadora, que as..

As imagens de satélite mostrando as cheias nos municípios de Nova Mamoré e Guajará-Mirim revela uma visão assustadora, que as autoridades deveriam analisar com um pouco mais de cuidado. O leito do rio Madeira está jogando água para fora, invadindo as propriedades rurais, encontrando-se na mesma linha do greide da BR 425, as águas só não arrestam a rodovia por que a correnteza é lenta e naturalmente vai se espalhando destruindo as plantações.

Outra imagem impressionante!

A ponte sobre o ribeirão Araras, construída a mais de 100 anos, onde só pode passar um veiculo por vez, os operários improvisaram sobre toras de maneira, uma verdadeira pinguela segura por pregos, que se fosse um rio de correnteza acentuada carregava tudo que encontrasse pela frente. É incrível como uma rodovia federal atendendo uma região econômica tão importante pode apresentar para resto do mundo um aspecto desolador destes. As imagens não deixam dúvidas.

Parece mentira!

Mas é verdade. O município de Nova Mamoré guarda em seus campos mais de 700 mil cabeças de bovinos, sendo o segundo maior rebanho do Estado de Rondônia, com animais de raças para a produção de carne, assim com é o primeiro produtor de leite (120 mil litros/dia). Contudo, carece de rodovias para ecoar sua produção. Sem falar nos prejuízos dos pequenos e médios produtores rurais que estão vendo suas lavouras destruídas.

Pode repetir 2014

Não precisa ser astrólogo, vidente, meteorologista, ou coisa parecida para entender que essa enchente que vem chegando sem dar trégua, aos ribeirinhos, lenta e continuada que nem cantiga de grilo pode provocar estragos piores que as cheias de 2014. Basta ler e entender que o clima na terra está mudando.

Pressão

Produtores rurais, chacareiros de Porto Velho, Ouro Preto do Oeste, de Nova Mamoré do Baixo Madeira e outras regiões atingidas pelas cheias com apoio de sindicatos e associações rurais estão se organizando e preparam um movimento visando pressionar as autoridades em busca de apoio. Um produtor rural que ligou para a coluna deixou bem claro que não desejam apoio de políticos oportunistas, “queremos dialogar direto com as autoridades responsáveis sem intermediários”.

Regularização fundiária

A Ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, tem revelado em entrevistas e reuniões com políticos e lideres ruralistas da região Norte, que o desejo do governo federal é de regularizar o maior número possível de áreas ocupadas por pequenos e médios agricultores em assentamentos implantados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária INCRA. Em Rondônia, segundo cálculos não oficiais mais de 100 mil agricultores, continuam produzindo sem o devido documento de suas terras.

Boa leitura

O carnaval passou. Agora de fato o ano de 2019 vai começar, vamos em frente cabeceando com uma e chutando com as duas, que nem o time do Inter, pois afinal de contas, pelo que dizem os entendidos, não será uma tarefa fácil para ninguém. Parabéns a todas as mulheres pelo seu dia ocorrido na última sexta-feira.


Escreva um comentário

sobre José Luiz Alves

José Luiz Alves, é jornalista. Apresenta aos sábados das 6h às 8h na Rede Tv Rondônia! o programa Campo e Lavoura, com informações ao homem do campo e produtores rurais, em cadeia com seis emissoras de rádios para todo o Estado de Rondônia.

Arquivos de colunas