Porto Velho/RO, 12 Janeiro 2020 22:46:19

    Victoria Angelo

    coluna

    Publicado: 08/01/2020 às 11h12min

    A- A+

    Você sabia que no Irã ser cristão é crime com pena de morte?

    Inacreditável a quantidade de "cristãos" introduzidos nos partidos de esquerda que lamentam a morte de terroristas iranianos assassinos.

    O Irã trata cristão como se criminoso fosse com pena de morte. Estima-se que milhares de cristãos convertidos foram assassinados com o conluio do Estado Islâmico e o Governo Monárquico do Irã.

     

    1. A conversão ao cristianismo é crime.

    As pessoas que deixam o islamismo e se convertem ao cristianismo podem enfrentar prisões e até a pena de morte, de acordo com a lei islâmica do Irã. Quando acontecem casos assim, os juízes islâmicos iranianos geralmente recorrem a versos do Alcorãoe Hadith (ditos e atos de Maomé) para justificar seus vereditos.
    Com ações como essas, o Irã viola sistematicamente a Lei Internacional de Liberdade Religiosa dos EUA e é por isso que, desde 1999, os americanos designam a República Islâmica como “país de preocupação”.

    General Qassem Soleimani, do Irã, morreu em bombardeio no Iraque.| Foto: Handout / KHAMENEI.IR / AFP

    O General do Irã Qassem Soleimani, nunca tomou nenhuma medida contra os milhares de assassinatos no Irã durante a última década. O próprio chefe das Forças Armadas iraniana foi conivente com o Estado Islâmico na perseguição, tortura e morte dos cristãos convertidos no território iraniano.

    Ele também foi um assassino a sangue frio de americanos, responsável pela morte de centenas de militares durante a guerra do Iraque. De acordo com uma declaração do Pentágono, Soleimani estava desenvolvendo planos para atacar diplomatas e militares americanos no Iraque e em toda a região, o que não é difícil de acreditar, já que esse era o trabalho dele.

    2. Violações de direito religioso.
    As denúncias estão em um relatório do Artigo 18, uma ONG iraniana que promove a liberdade religiosa:
    “Os agentes de prisão se apresentaram como agentes do Ministério da Inteligência (MOIS). Eles invadiram as casas dos cristãos em uma operação coordenada por volta das 9 horas da manhã, confiscando Bíblias, literatura cristã, cruzes de madeira e imagens com símbolos cristãos, junto com laptops, telefones, todas as formas de cartões de identidade, cartões bancários e outros pertences pessoais”, diz o texto.
    “Os agentes de detenção também revistaram os escritórios de trabalho de pelo menos dois cristãos e confiscaram discos rígidos de computador e gravações de câmeras de segurança”.
    As famílias cristãs são geralmente desumanizadas e humilhadas na comunidade durante os ataques do agente. Como o relatório do Artigo 18 explica: “Os policiais teriam tratado os cristãos com severidade, mesmo que crianças pequenas estivessem presentes durante as prisões”.

    Irã considera cristianismo crime punível até com pena de morte.

    3. Pastor e oito cristãos são condenados a 5 anos de prisão.

    O Tribunal Revolucionário do Irã condenou nove cristãos a cinco anos de prisão cada, sendo um pastor e oito fiéis. O motivo da prisão é o fato deles serem ex-muçulmanos convertidos.

    A informação foi dada pela organização Iran Human Rights Monitor que revelou na semana passada a sentença dos cristãos que foram presos entre janeiro e fevereiro de 2019.

    A República Islâmica do Irã tem uma lei que proíbe que muçulmanos se convertam ao cristianismo. Por esta razão foi que o chefe do Tribunal Revolucionário de Teerã, Mohammad Moghiseh, condenou Matthias Haghnejad (pastor), Shahrooz Islamdust, Behnam Akhlaqi, Babak Hosseinzadeh, Mehdi Khatibi, Khalil Dehghanpour, Hossein Kadivar, Kamal Naamanian e Mohammad Vafadar.

    A conversão deles fizeram com que as autoridades os acusassem de “agir contra a segurança nacional” e “promover o sionismo”. Segundo o Christian Solidarity Worldwide, o pastor Haghnejad era perseguido desde 2006 por conta da sua conversão e pela realização de cultos na cidade de Rasht.

    No dia da sua prisão, em 10 de fevereiro, ele foi pego dentro da própria igreja e os policiais confiscaram Bíblias e telefones celulares de quem estava no culto.

    No Irã, é ilegal que um muçulmano se converta ao cristianismo.

    4. A situação dramática dos cristãos.

    Não é novidade que a situação dos cristãos no Irã e Iraque é dramática. A perseguição vem de muito tempo. Para se ter uma ideia, antes do conflito, vivia no país mais ou menos 1,5 milhão de caldeus, sírio-católicos, sírio-ortodoxos, assírios orientais, católicos e ortodoxos armenos. Hoje, particularmente após a ascensão dos sunitas, esse número não passa de 400 mil.

    A diferença do quadro anterior para o atual estado da região, no entanto, é enorme. Hoje, está no poder um grupo que fala abertamente de tomar o mundo, ensinando crianças a guerrear, obrigando as pessoas a aceitarem uma única religião e perseguindo sem escrúpulos as minorias religiosas do Oriente Médio, especialmente os cristãos.

     

    A ideia dos arautos desse novo mundo é criar um “islamismo do ano zero”, eliminando qualquer resquício de cristianismo, direitos femininos, democracia ou mesmo piedade humana.


    Deixe o seu comentário

    sobre Victoria Angelo Bacon

    Colaborador do Diário da Amazônia - Jornalista e professora de Língua Portuguesa e Comunicação. Graduada pela Universidade do Estado do Paraná. Especialista em Mídias Sociais pela PUC/PR. Assessora de Comunicação do Governo de Rondônia. Lecionou disciplinas de Comunicação e Linguagem na UFAM, UAB/UNB e Rede Pública de Educação de Rondônia. Secretária Executiva da Universidade Federal de Rondônia e dirigente sindical do SINTUNIR- UNIR. Colunista e apresentadora no Rondoniaovivo do programa Diálogo. Âncora do programa Diálogo nas Redes Sociais na Rede TV Rondônia em 2020.

    Arquivos de colunas