Porto Velho/RO, 05 Fevereiro 2020 12:42:22

    VictoriaAngelo

    coluna

    Publicado: 04/02/2020 às 20h53min | Atualizado 05/02/2020 às 12h42min

    A-A+

    Silvia Cristina lembra da importância da luta mundial contra o Câncer

    Reiniciamos nosso trabalho no dia mundial do câncer, momento de reflexão e prestação de contas sobre o nosso trabalho em 2019.

    “A mulher hoje tem um foco central na família, então ela cuida de todo mundo e não se cuida. Para você ter uma ideia, 20% das mulheres que a gente vai até as casas sensibilizar não querem fazer os exames, faltam aos exames”, por isso é necessário sempre alertarmos e lembrarmos da importância. O dia 04 de fevereiro é uma data instituída pela Organização Mundial da Saúde para que nunca esqueçamos que o câncer matou milhões de pessoas”

     

    O Dia Mundial Câncer.

    Nesta terça-feira (04) é lembrado o Dia Mundial do Câncer, conforme o calendário da Organização Mundial da Saúde (OMS). De acordo com dados da organização internacional, a doença é a segunda principal causa de morte no mundo, sendo que em torno das 70% das mortes ocorrem em países de baixa e média renda, como o Brasil.

    Deputada Silvia Cristina na Tribuna da Câmara Federal.

    A deputada Federal por Rondônia, Silvia Cristina, usou a tribuna da Câmara Federal para alertar a todos que o câncer ainda mata milhões pelo Mundo e pelo Brasil. Durante a sua fala, a deputada também recordou o seu trabalho que iniciou há 12 anos na luta contra a doença da qual foi vítima. Também lembrou da sua psrceria com o Hospital do Amor que tem o filantropo Henrique Prata um parceiro de todos os momentos.

    Silvia falou dos cânceres que ainda atingem as mulheres, o da mama e do colo do útero. Seu trabalho em 2019 no sentido de redirecionar recursos públicos para Rondônia, por meio do Hospital do Amor que atende milhares de portadores da doença mensalmente. Em 2020 não será diferente a nossa luta contra o Câncer, afirmou Silvia Cristina.

    Assista o vídeo da deputada federal Silvia Cristina.

    Reiniciamos nosso trabalho no dia mundial do câncer, momento de reflexão e prestação de contas sobre o nosso trabalho para combater esta doença que assusta e maltrata.

    Reiniciamos nosso trabalho no dia mundial do câncer, momento de reflexão e prestação de contas sobre o nosso trabalho para combater esta doença que assusta e maltrata.

    Posted by Silvia Cristina on Tuesday, February 4, 2020

     

     

    Com 200 novos casos por ano, câncer de mama mata 17 mulheres a cada 100 mil, diz instituto.

    A taxa de mortalidade da doença é considerada alta. No Dia Mundial de Combate ao Câncer, Instituto Ilumina alerta que prevenção é melhor forma de reduzir risco de morte.

    A prevenção ainda é a melhor forma de combate à doença, mas os números mostram que há muitas vagas ociosas de exames de mamografia na região. Isso significa que as unidades que fazem o exame atendem um número de mulheres abaixo da capacidade.

    Mesmo com toda a tecnologia disponível e o avanço da medicina, a taxa de mortalidade por câncer de mama é considerada alta.

     

    Cerca de 2,1 milhões de novos casos de câncer de mama surgem anualmente, segundo estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde). Ele é um dos tipos de câncer mais frequentes em todo o mundo e também o que mais mata mulheres: 627 mil morreram em decorrência da doença em 2018.

    Câncer de colo de útero ainda é o terceiro mais frequente entre as brasileiras.

    A falta de informação ainda é um dos impeditivos para reduzir, de forma mais significativa, os casos de morte de brasileiras por câncer de colo de útero: uma doença que pode ser detectada por meio de um simples exame periódico e cujo diagnóstico precoce aumenta em mais de 97% as chances de sobrevida da paciente.

    Os últimos dados consolidados do Inca (Instituto Nacional de Câncer), do Ministério da Saúde, apontam que o câncer de colo de útero é o terceiro tumor mais frequente entre as mulheres – ficando atrás do câncer de mama e de cólon e reto – e a quarta maior causa de morte (corresponde a 6,2% dos óbitos de brasileiras por câncer).

    A prevenção do câncer uterino é feita através dos exames preventivos e, agora, também por meio da vacinação contra o HPV. O exame do Papanicolau pode detectar o câncer em estágio inicial, garantindo maiores chances de cura”, explica a oncologista clínica Raquel Dalagnol, do COP (Centro de Oncologia do Paraná), informando que a vacinação de meninas e meninos com idades entre 9 e 14 anos é fornecida gratuitamente pelo Ministério da Saúde.

    Por que mais de 70% dos casos de câncer de mama no Brasil são diagnosticados em estágio avançado.

    A maioria das mulheres diagnosticadas com a doença no país palpa o próprio nódulo; para muitas delas o problema é a dificuldade de marcar uma consulta ou fazer um exame pelo sistema público de saúde.

    Quanto mais tardio o diagnóstico, menores as chances de sobrevivência da paciente e mais invasivo o tratamento – o número de sessões de quimio e radioterapia e a necessidade da retirada da mama, a mastectomia.

    O câncer de mama pode ser classificado em 5 estágios, que classificam a doença de acordo com sua gravidade. Classificar o estágio do câncer de mama se faz muito necessário uma vez que só é possível estabelecer o melhor tratamento para o nível do caso através dessa informação.

    Esses números também fazem com que a doença seja o terceiro tipo mais mortal de câncer em termos gerais: em 2017, o tumor na mama ficou atrás apenas de casos de câncer na traqueia, nos brônquios, no pulmão (27.929 mortes) e no cólon ou reto (18.867).

     

    Estágio 0

    Quando o câncer é identificado no estágio 0 pode-se interpretar que a paciente se encontra no nível inicial da doença. Assim, o tratamento utilizado não será tão invasivo e as chances de curas são maiores.

    Estágio 1

    Neste estágio o tumor é relativamente pequeno e não se disseminou para os linfonodos.

    Estágio 2

    No estágio 2 o tumor da paciente é maior do que o estágio 1 e pode ter se espalhado para alguns linfonodos.

    Estágio 3

    No estágio 3 a situação é mais grave, uma vez que o tumor se encontra em um tamanho maior. Além disso, o diagnóstico significa que o câncer se espalhou para os nódulos linfáticos ou também para outros tecidos da mama. Por isso, esse estágio é chamado de “câncer de mama localmente avançado”.

    O tratamento para os casos nos estágios de 1 a 3 é feito por meio de cirurgia e radioterapia, com o acompanhamento de quimioterapia ou outras terapias medicamentosas. Vale ressaltar que o tratamento de cada estágio tem suas especificações e variações.

    Estágio 4

    Nesta fase o câncer se espalhou para outros órgãos do corpo e é chamado de “câncer de mama avançado” ou “câncer de mama metastático”. Para o tratamento da doença no estágio 4 são feitas terapias sistêmicas, que incluem quimioterapia, terapia hormonal, terapia alvo e imunoterapia.

    Mantenha seus exames em dia.

    Viu o quanto o diagnóstico precoce da doença faz toda diferença no resultado do tratamento? Portanto, cuide da sua saúde e faça exames, como o autoexame e a mamografia, regularmente.


    Deixe o seu comentário

    sobre Victoria Angelo Bacon

    Colaborador do Diário da Amazônia - Jornalista e professora de Língua Portuguesa e Comunicação. Graduada pela Universidade do Estado do Paraná. Especialista em Mídias Sociais pela PUC/PR. Assessora de Comunicação do Governo de Rondônia. Lecionou disciplinas de Comunicação e Linguagem na UFAM, UAB/UNB e Rede Pública de Educação de Rondônia. Secretária Executiva da Universidade Federal de Rondônia e dirigente sindical do SINTUNIR- UNIR. Colunista e apresentadora no Rondoniaovivo do programa Diálogo. Âncora do programa Diálogo nas Redes Sociais na Rede TV Rondônia em 2020.

    Arquivos de colunas