Porto Velho/RO, 11 Dezembro 2019 19:35:13

    LeandroMazzini

    coluna

    Publicado: 23/11/2019 às 14h45min

    A-A+

    Brasil tem cerca de 570 shoppings em atividade

    Falso comunicado sobre corte de energia justo no horário da final da Copa Libertadores

    Coalizão & Soberba

    Caciques de partidos da esquerda que se reuniram com o ex-presidente Lula da Silva nos últimos dias reforçaram a tese de que a oposição precisa se unir em 2020 para ampliar o número de prefeituras – principalmente nas capitais – e enfrentar as candidaturas aliadas do Governo Jair Bolsonaro e de partidos adversários históricos, como o PSDB e DEM. Embora concorde com a coalizão para as eleições, o petista se mantém arredio na defesa de que o PT mantenha a cabeça de chapa, mesmo com todo o desgaste de imagem da legenda e de seu líder máximo, com o camburão na porta.

    Tá osso

    Quem saiu da conversa com Lula repete que há sinais de difícil aliança para o pleito municipal, e que os partidos de esquerda vão rachados para a maioria das disputas.

    Voltou pior

    Lula tem todo o cenário para voltar às ruas como um líder político atual, mesmo sem mandato. Mas prefere destilar o ódio e rancor em discursos e nas redes sociais.

    Língua imprudente

    Em vídeo que viralizou ontem, com boné do MST, Lula – condenado por corrupção e com quatro processos por ladroagem nas costas – chama o presidente Bolsonaro de miliciano e o acusa de envolvimento no assassinato da ex-vereadora Marielle Franco.

    À deriva

    Os investigadores da Marinha e da Polícia Federal seguem tão perdidos quanto o óleo à deriva no mar brasileiro, que não para de chegar às praias. Sem o Sistema de Vigilância fica difícil, mesmo. Seguidos governos contingenciaram o programa da Amazônia Azul. A Defesa brasileira teria hoje um sistema de satélites e fragatas suficientes para descobrir no primeiro momento o culpado pelo crime ambiental.

    Calma, gente

    Precisam de calmantes dois expoentes do Governo na Esplanada. A possível fusão do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divide os ministros da Educação, Abraham Weintraub, e da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes.

    Contrapontos

    Em documentos enviados à Câmara, aos quais a Coluna teve acesso, os ministros apresentam posições opostas. Pontes afirma que a fusão “não é a melhor alternativa”. Já Weintraub aponta que uma eventual incorporação ou fusão “traria vantagens muito maiores do ponto de vista da governança”. As palavras são outras nos bastidores.

    Cadê você?

    Está foragido da Justiça desde março o ex-deputado federal e ex-presidente da Federação Paranaense de Futebol Onaireves Rolim de Moura. Ele é alvo de mandado de prisão 1042060-63 (Coluna teve acesso) acusado de estelionato e apropriação indébita. A última notícia de seu paradeiro era São Paulo, onde, segundo relatos, vendia sucatas.

    Fiat lux

    Falso comunicado sobre corte de energia justo no horário da final da Copa Libertadores, hoje, viralizou nos últimos dias pelo whatsapp e obrigou as companhias de distribuição a soltarem desmentido. No Distrito Federal o alvo foi a CEB; e em Goiás a Enel.

    Lista de ouro

    Gente graúda de Brasília fala entre dentes que o presidente Bolsonaro contratou empresa de mídia digital semelhante à Cambridge Analityc, que fez a campanha de Donald Trump nos EUA. Com tal sistema ele consegue mapear milhões de eleitores. Isso explicaria a torcida para que o TSE autorize a coleta de assinaturas digitais para a oficialização do Aliança pelo Brasil (APB), seu futuro partido.

    Posto avançado

    Com cara de banco a cada dia mais, os Correios abriram licitação para varejistas que pretendem instalar um posto avançado da (ainda) estatal em seus estabelecimentos. Serão contempladas as cidades de Águas Lindas de Goiás (GO), Contagem (MG), Curitiba (PR), São José dos Pinhais (PR), Palhoça (SC), Cotia (SP) e Paranoá (DF).

    Mercado travado

    O Brasil tem cerca de 570 shoppings em atividade hoje. Nos Estados Unidos, são mais de 46 mil. Há como expandir por aqui se a economia melhorar – e a burocracia cair. Em muitos casos são dois anos para aprovação da licença.


    Deixe o seu comentário

    Arquivos de colunas