porto velho - ro, 25 Maio 2019 13:24:39
Capital

Campanha alerta sobre ruídos sonoros

A poluição sonora é o terceiro maior problema mundial depois da poluição da água e do ar

Por Sara Cicera Diário da Amazônia
A- A+

Publicado: 18/04/2019 às 09h38min

Se preferir, ouça a versão em áudio

Foto: ilustrativa

O ruído fora de controle pode causar vários danos à saúde humana, como por exemplo, efeitos como insônia, palpitação no coração, zumbido no ouvido, estresse, ansiedade, nervosismo, dor de cabeça e até lesões psicológicas. Para alertar a população de Porto Velho sobre o ruído, a Secretaria de Meio Ambiente (Sema) lançou a campanha ‘Sua Audição Merece Atenção, Cuide dela com o Coração!’ para promover reflexões sobre os cuidados que as pessoas devem ter com a audição e o que se pode fazer para evitar problemas de saúde.

De acordo com a gerente de monitoramento de qualidade ambiental da Sema, Lucimara Camargo, a Campanha do Dia Internacional da Conscientização sobre o Ruído é realizada há 30 anos. Segundo ela, a principal motivação da campanha passou a ser executada após um levantamento da Organização das Nações Unidas (ONU) que determinou que a poluição sonora é o terceiro maior problema mundial, depois da poluição das águas e do ar. “Esse terceiro maior problema acaba sendo um motivador de doenças no ser humano, que chamamos de silenciosas, motivada pela exposição do ruído em excesso em longos períodos e níveis muito altos”, disse.

Lucimara ainda informou que a Sema realiza monitoramentos de ruídos há três anos em Porto Velho. A região central, determinada como zona 1, é o principal ponto de controle devido ser a região mais movimentada da capital. Nos últimos dois anos, os níveis captados de ruídos ambiental têm sido altos, de 69 decibéis até 77 decibéis na zona central, tanto no período noturno quanto no período do dia. O ruído ambiente até 50dB é considerado normal, de 60dB a 100dB é considerado perigoso e de 110dB a 140dB é extremamente lesivo.

“Os pontos que nós escolhemos para monitorar faz uma relação com que o nós chamamos de afetados, que são as escolas, as áreas residenciais, os hospitais entre outros. As pessoas que moram nesses ambientes, elas são mais sensíveis e precisam de ambiente de silêncio. A nossa legislação não foi feita para permitir ruído e sim para o silêncio. O corpo humano precisa de silêncio para se restabelecer e para ter concentração. Então é importante monitorar os ruídos nas cidades porque a prioridade é a saúde das pessoas”, explicou.

De uma forma geral, o ruído pode ser qualquer som desagradável. De acordo com a fonoaudióloga Tamier Costa, existem vários tipos de ruídos que apodem prejudicar a saúde humana. “O ruído do trânsito é muito intenso, dentro de sala de aula, nas obras, indústrias e nesse ano a campanha está alertando principalmente sobre o uso do fone de ouvido. Todos que possuem um celular tem um fone de ouvido dentro da bolsa e uso desregular  do fone acaba lesionando aos poucos, não é imediato, mas quando nós percebemos nós já estamos com alguma dificuldade, como para dormir, para ouvir e tudo isso influência no ser humano como um todo”, afirmou.

A Sema realizará uma semana de atividades nas escolas, com pitstop, palestras, passeios e atendimento nos bairros em parceria com a faculdade São Lucas, para fortalecer e para que a população entenda que é preciso ter atenção sobre o ruído.



Escreva um comentário