Porto Velho/RO, 20 Janeiro 2020 13:57:10
    Geral

    Eco vale solta mais de 4 milhões de quelônios

    Os filhotes de tartarugas e tracajás são fundamentais para o equilíbrio do ecossistema do rio Guaporé

    Por Redação Diário da Amazônia
    A- A+

    Publicado: 10/12/2019 às 14h53min

    Foto: R. Machado

    As comemorações dos 20 anos de atividades da Associação Comunitária Quilombola e Ecológica do Vale do Guaporé (Eco Vale), foram celebradas com a soltura de mais de quatro milhões de quelônios (filhotes de tartarugas e tracajás) nesta temporada de 2019. Entre os exemplares, destaque para a raridade de um filhote albino e de olhos azuis, o segundo nas duas décadas da atividade do projeto.

    Uma grande mobilização foi feita no último domingo (8), numa das praias do rio Guaporé, em Costa Marques, para devolver à natureza o maior lote de quelônios já recuperados.
    A ação tem como objetivo o repovoamento do Vale do Guaporé com as esécies que são fundamentais para o equilíbrio do ecossistema, considerando que os quelônios são base da alimentação de outras espécies. A população de tartarugas e tracajás diminuíram na região por causa da caça predatória.

    Segundo explicou o coordenador Zeca Lula, “o número de soltura neste ano só não foi maior por que o Rio Guaporé subiu muito rápido e não deu tempo de retirar em torno de dois milhões de filhotes, que morreram dentro das covas”.

    Desovas
    Zeca Lula também destacou que se houvesse mais apoio governamental, certamente teriam salvos todos os filhotes. “Nesta temporada de 2019, desovaram cerca de 50 mil quelônios, sendo que cada animal põe em torno de 150 ovos e vai até 250, por cova”, explicou.
    Os tracajás são os primeiros a desovar e em seguida vem as tartarugas e quando desovam em praias de areia fina, demoram mais para eclodir e nas praias com areia grossa a eclosão e mais rápido.

    Recorde
    O fotógrafo R. Machado, que acompanhou a ação e fez todo o registro de imagens, ficou impressionado com a quantidade de filhotes soltos na natureza a partir desta ação ambiental. “É um projeto nunca visto em nenhum lugar do planeta. Houve uma eclosão tão grande que certamente entrará para o Guiness Book (o livro dos recordes).
    Neste ano, a meta do proejto era soltar cenca de oito milhões de quelônios, mas por causa do ciclo do rio, que elevou o nível antes do previsto, muitos filhotes não conseguiram ser resgatados pelos voluntários.

    Apoio popular
    Além do povo quilombola que integra a Eco Vale, a ação teve apoio da população de Costa Marques e São Francisco do guaporé. Os voluntários estiveram no local e ajudarm na devolução dos filhotes ao rio Guaporé como que numa grande celebração pelo resultado obtido.
    A prefeita de São Francisco do Guaporé, Gislaine Lebrinha, juntamente com vereadores do município, estiveram comprometidos com todas as fases da ação e fizeram questão de participarem do até de soltura dos quelônios.

    O que são quelônios
    Os quelônios, ou testudines, são répteis da ordem Chelonia, cujos representantes são as tartarugas marinhas e de água-doce; cágados, que vivem em água-doce; e os jabutis, encontrados em terra firme. Atualmente são conhecidas 260 espécies de quelônios, sendo que apenas sete espécies são marinhas. No Vale do Guaporé, em Rondônia, predominam as espécies de tartarugas e tracajás.

    Como esse projeto ajuda o Vale do Guaporé

    Importância – os quelônios servem de alimentação para várias espécies aquáticas.
    Predação – além dos predadores naturais, quando chegam à fase adulta, os quelõnios são cassados por pessoas que apreciam a iguaria.
    Desovas – as fêmeas desovam na a´rea de praias e muitos ovos são predados e outros não conseguem sair dos ninhos subterrados.
    Projeto – consiste em retirar os filhotes dos ninhos e preservá-los contra predação para que possa haver maior lançamento da espécie no habitat e recuperar o ciclo que favorece ao meio ambiente.
    Eco Vale – instituição de quilombolas que iniciou o projeto e hoje conta com parcerias de voluntários que são favoráveis à preservação ambiental do Vale do Guaporé.



    Deixe o seu comentário