porto velho - ro, 13 Setembro 2019 09:45:56

    FelipeJosé

    coluna

    Publicado: 08/04/2019 às 16h50min | Atualizado 08/04/2019 às 16h55min

    A-A+

    Por que os pais não estão conseguindo tomar as rédeas?

    Pagar contas em casa e dividir tarefas não é punir, mas sim ensinar para o futuro

    Sempre que estou dentro de um transporte alternativo conversando com algum motorista, me deparo com ele reclamando da conduta e da falta de educação dos jovens de hoje. Na maioria das vezes os motoristas relatam que eles não aceitam opiniões, são sem educação e em boa parte donos da verdade. Se por um lado a “aclamada internet” nos trouxe muito acesso as informações, pelo outro, os jovens não entenderam ainda que ela é uma ferramenta que traz várias respostas, mas que para ter uma verdade, é preciso ter orientação. Por isso as escolas / faculdades e seus docentes são importantes nesse processo. Mas os pais também precisam participar urgentemente!

    Imagem Ilustrativa: Divulgação

    No entanto, os responsáveis precisam entender primeiro “sobre como participar” e ajudar. O problema que percebo atualmente é que os pais que tiveram uma vida difícil no passado, ao invés de mostrar as dificuldades e ensinar os filhos a dar valor as coisas, subprotegem-os, como se não fossem crescer, casar e etc. Evitam que eles andem de ônibus, metrô, não repassam responsabilidades, não deixam eles pagarem um conta dentro de casa, não ensinam que a gentileza é uma via mão dupla, não os ensinam a tratar os mais velhos com respeito e o pior, não deixam claro para seus filhos que um dia vão embora deste mundo e que se os mesmos não se preparem para a vida passarão aperto no futuro.

    O engraçado é que essas histórias se repetem cada vez mais. Tenho familiares por parte da minha mãe, ou seja, tios que a vida inteira passaram a mão na cabeça dos meus primos. Enquanto eu (com 14 para 15 anos de idade) e meu irmão com 20 anos de idade já trabalhávamos (para ajudar em casa), a maioria dos meus primos não fazia nada, absolutamente nada! Lembro claramente das festas em família em que eu e ele chegávamos mais tarde por que estávamos trabalhando. Enquanto isso, todos os nossos primos (que não faziam nada) já estavam lá. Eu e meu irmão éramos para eles os coitados da família (já escutei sem querer isso várias vezes) por sermos filhos de pais separados e por termos que trabalhar. Mas eis que os apertos que eu e meu irmão passamos na vida trouxeram ótimos resultados.

    Me enveredei para o conhecimento e para a área acadêmica e de um simples gráfico (área que trabalhei quase 10 anos), me tornei Jornalista (Ass. Imprensa / Redator/ Editor / Crítico Musical) | Teólogo |  Sociólogo | Letras – Literatura | Mestre em Comunicação | Doutorado em C. Social, sou quase Advogado e em breve Economista. Meu irmão se tornou um ótimo e exemplar Publicitário (ganhador de vários prêmios), Ator, Roteirista de Teatro de tirar o chapéu e hoje trabalha no Rio de Janeiro (RJ) com peças premiadas e incríveis. Do outro lado temos os primos (que hoje tenho pouco contato), mas que de filhos superprotegidos na nossa época da adolescência, se tornaram pais e mães ainda dependentes de seus pais. Isso mesmo, dependem dos meus tios até hoje! Ou seja, tiveram de tudo, mas não souberam aproveitar e não aprenderam nada!

    Por isso, quanto mais cedo os filhos tiverem senso de responsabilidade, menos eles serão uma responsabilidade para os pais. O zelo é importante, mas tapar os olhos dos filhos para as mazelas e dificuldades da vida, não é ensinar, mas sim evitar que eles entendam que o sofrimento também faz parte de uma vida de batalhas. Como já dizia o filme “Pain & Gain (2013)” | ” Sem Dor, Sem Ganho”, para entender a vida, é preciso passar por alguns estágios importantes, entre eles está as dificuldades e a dor que com toda certeza trazem ensinamentos. Quem repassa responsabilidade para os filhos não está punindo, mas sim, ensinando que às vezes teremos que depender de nós mesmos e que a vida somos nós mesmos que fazemos.

    Valores

    Caráter, idoneidade e acima de tudo ética, são valores que “se não nascemos com eles”, aprendemos durante a vida que são fundamentais para seguirmos em frente. Por esse motivo, se não forem implantados desde cedo, em algum momento da vida poderá ser muito tarde. A vida cobra às vezes de uma forma pesada e sem chance de arrependimento, por isso, ter noção das responsabilidades, das dificuldades e acima de tudo de como conseguiu alcançar as vitórias fará toda a diferença. O futuro das próximas gerações estará na mão dos jovens de hoje, por isso, orientá-los, seja a partir dos pais e responsáveis, é de suma relevância para termos um mundo melhor. Filhos sem preparo: Por que os pais não estão conseguindo tomar as rédeas?  Pagar contas em casa e dividir tarefas não é punir, mas sim ensinar para o futuro. Pense nisso. Até a próxima coluna.


    Escreva um comentário

    sobre Felipe José de Jesus

    Sociólogo, Jornalista, Mestre em Comunicação Social: Jornalismo e Bacharelando em Direito. Como jornalista atuou em diversas editoras como: economia, política e também cultura em jornais impressos e portais. Passou também por assessorias de imprensa privada, prefeituras e em uma secretaria do Governo mineiro. Atualmente apoia o jornal Brasil Agora como editor. Com o mestrado deu aula na ESABI para a disciplina de Metodologia Científica e deu aulas particulares para alunos do curso de Psicologia da Faculdade de Estudos Administrativos de Minas Gerais (FEAD). Atualmente como Sociólogo prestou consultoria para uma ONG desempenhando o trabalho de pesquisas de campo: opinião pública: social e comportamento. Faz parte da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS) como afiliado e em 2016 prestou serviço de assessoria e planejamento de equipe para partidos políticos nas eleições municipais. Suas vivências acadêmicas passaram pela Faculdade Estácio de Sá (FESBH); Faculdade Polis das Artes (FPA); Universidad Europea Miguel de Cervantes (UEMC) e Universidade Uniesp.

    Arquivos de colunas