Porto Velho/RO, 30 Junho 2020 01:40:23
Diário da Amazônia

Semtran informa que não foi avisada da greve e diz que movimento é ilegal

Após a deflagração da greve dos trabalhadores do transporte coletivo em Porto Velho na manhã desta segunda-feira (29), a Secretaria..

A-A+

Publicado: 30/06/2020 às 01h39min | Atualizado 30/06/2020 às 01h40min

Após a deflagração da greve dos trabalhadores do transporte coletivo em Porto Velho na manhã desta segunda-feira (29), a Secretaria Municipal de Transporte, Mobilidade e Transportes (Semtran) disse que não foi informada com antecedência sobre a paralisação e considera a greve ilegal.

Motoristas e cobradores cruzaram os braços em protesto pelo atraso salarial de três meses, além do não fornecimento de equipamentos de proteção. A última paralisação no transporte caótico da Capital aconteceu em janeiro e também devido ao atraso no pagamento de salários.

Confira nota:

A Prefeitura de Porto Velho através da Secretaria Municipal de Trânsito, Mobilidade e Transporte – SEMTRAN vem esclarecer que na manhã desta segunda-feira, dia 29 de junho, estiveram na garagem do Consórcio SIM, os Fiscais de Transportes da SEMTRAN para averiguação quanto a paralisação irregular do Sistema de Transporte Coletivo Urbano de Porto Velho sem o aviso prévio de 72 horas.

Foi informado que a paralisação irregular está sendo realizada pelos trabalhadores do sistema de transporte coletivo devido ao não pagamento de salário dos meses de abril e maio do ano corrente.
Cabe salientar que a Prefeitura Municipal de Porto Velho, através da Ata de Conciliação do Processo n° 7022877-90.2018.8.22.0001, aceitou recurso, quitando parte do pagamento dos funcionários, sendo estes dos meses de dezembro de 2019 e janeiro de 2020, e ainda a 2ª parcela do 13° salário de 2019.

Contudo a Prefeitura realizou ainda o repasse para pagamento dos meses de fevereiro e março de 2020, com o objetivo de arrimar a transição do sistema de transporte coletivo do Consórcio SIM para a nova concessionária JTP Transportes, que deverá assumir o sistema até o dia 16 de setembro de 2020, conforme prazo contratual.

Esclarecemos ainda que a Procuradoria Geral do Município – PGM já foi acionada para fins de interposição judicial junto ao Tribunal Regional do Trabalho. (Assessoria)



Deixe o seu comentário