Porto Velho/RO, 24 Dezembro 2019 07:37:22
    Cidades

    Vereadores de Cacoal denunciam gestão da prefeita Glaucione

    Entre as mazelas denunciadas na administração da prefeita Glaucione Rodrigues, em Cacoal, estão as suspeitas de crimes de improbidade..

    A- A+

    Publicado: 21/12/2018 às 14h48min | Atualizado 21/12/2018 às 14h55min

    Entre as mazelas denunciadas na administração da prefeita Glaucione Rodrigues, em Cacoal, estão as suspeitas de crimes de improbidade administrativa, enriquecimento ilícito, crimes ambientais, nepotismo e malversação de recursos públicos, ambos denunciados no Ministério Público Estadual e Federal, Tribunal de Contas do Estado (TCE-RO) e da União e Caixa Econômica Federal, por aplicação de recursos de R$ 5 milhões, em obras de recapeamento em período de inverno amazônico pela empresa JZB. Outra irregularidade denunciada pelo TCE-RO, diz respeito à nomeação do controlador do Município Lindebergue Miguel Arcanjo, que estava inabilitado por cinco anos a ocupar cargo público.

    Grupo de vereadores apresentaram diversas denúncias aos órgãos competentes. – Foto: Divulgação

    “Nos acórdãos do Tribunal de Contas da União, o controlador estava inabilitado para ocupar cargo ou função de confiança. Pesam contra Lindebergue, acusações de desvio de recursos de prestação de contas, apresentação de documentos falsos, defesa insuficiente para afastar as irregularidades, além de cometimento de irregularidades graves, contas irregulares, débito e multa. A sentença é de 05/09/2012, venceu em setembro de 2017, mais ele foi nomeado pela prefeita”, denunciou Mário Moreira (Jabá), vereador.

    Chamou a atenção dos vereadores de Cacoal, o valor de R$ 600 mil, que foi licitados para poda de árvore e plantio de gramas. A empresa FOX de Porto Velho venceu o certame licitatório, mas em uma visita a Capital do Estado, uma comissão composta pelos vereadores Mário Moreira, Paulinho do Cinema e Castelinho, descobriu que a sede da empresa era em salão de beleza.

    Uma empresa é responsável por poda e plantio de grama e árvores. Mas,, trabalho está insuficiente. – Foto: Divulgação

    “Endereço nada tinha haver com contrato, era um salão de beleza. O município chegou A gastar R$ 99 mil. São tantos absurdos, que a atual gestão estava pagando folha por metro cúbico, se fosse madeira eu até entenderia, agora pagar metro cúbico por folha, isso é um verdadeiro absurdo”.

    Existem denúncias, em que a prefeita Glaucione seria a principal responsável em desestabilizar o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) para privatizá-lo. Entre os apontamentos, equipamentos que foram adquiridos há mais de um ano e não foram instalados. Num total de 10 aerador para oxigenar as piscinas de esgotos e dois conjuntos de bombas, orçados em R$ 190 mil, que também estão parados.

     

    O Saae é responsável pelo abastecimento de 39 mil residências, tem uma arrecadação de mais de R$ 1,6 mil por mês, além de tratar o esgoto de 87% do município. A companhia administra também os recursos da coleta de lixo, cobrado nos impostos municipais. Outro agravante denunciado pelos moradores é péssimo serviço prestado pela Coolpeza, que tem contrato desde 2014 com Cacoal.

    “Nós que moramos aqui, estamos sentindo na pele essa falta de respeito para com os moradores. Lixeiras abarrotas lixos não coletados, odor insuportável. Pior, por onde você anda a situação se repete. Para que estamos sem administração na cidade”, desabafou Edwirge Vilhena, dona de casa.

    Nós que moramos aqui, estamos sentindo na pele essa falta de respeito para com os moradores. Lixeiras abarrotas lixos não coletados, odor insuportável. Pior, por onde você anda a situação se repete.

    “Eu já tive muito orgulho dessa cidade. Hoje é só decepção, não com ela, mas com os gestores. Você não consegue andar nas ruas, sem cair em um buraco e sentir o mal cheiro do lixo que não foi coletado. Isso é ruim tanto para o comércio, quanto para as famílias que correm o risco de adoecer”, lamentou Denis Vilhena, técnico em informática.

    Eu já tive muito orgulho dessa cidade. Hoje é só decepção, não com ela, mas com os gestores. Você não consegue andar nas ruas, sem cair em um buraco e sentir o mal cheiro do lixo que não foi coletado.

    Equipamentos que foram adquiridos há mais de um ano e não foram instalados. – Foto: Divulgação

    A gestão da prefeita de Cacoal também está sendo denunciada por ceder veículos do município para empresa que faz a coleta de lixo, que tem um contrato de R$ 350 mil por mês e não consegue prestar um serviço de qualidade. Para o vereador Jabá, é preciso que outros vereadores se posicionem, pois existem denuncias no Ministério Federal, Ministério Publico Estadual, Tribunal de Contas da União e TCE-RO de crimes ambientais, improbidade administrativa, nepotismo, reconhecimento de dividas e enriquecimento ilícito.

    Para Jabá, a situação da Autarquia é preocupante. “O Saae é a maior empresa do Município. Parece que estão sucateando a companhia para tentar privatizar. Agora mesmo está tentando fazer remanejamento de recursos, cerca de 1,46 milhão, que querem retirar do Saae, o que inviabilizar as condições de trabalho por aqui”, denunciou.

    A prefeita Glaucione Rodrigues disse que não pretende privatizar o serviço feito pelo Saae. A afirmação é contestada por vereadores.

     

    https://www.youtube.com/watch?v=3iC7pMq0NIU

    Entre as mazelas denunciadas na administração da prefeita Glaucione Rodrigues, em Cacoal, estão as suspeitas de crimes de improbidade administrativa, enriquecimento ilícito, crimes ambientais, nepotismo e malversação de recursos públicos, ambos denunciados no Ministério Público Estadual e Federal, Tribunal de Contas do Estado (TCE-RO) e da União e Caixa Econômica Federal, por aplicação de recursos de R$ 5 milhões, em obras de recapeamento em período de inverno amazônico pela empresa JZB. Outra irregularidade denunciada pelo TCE-RO, diz respeito à nomeação do controlador do Município Lindebergue Miguel Arcanjo, que estava inabilitado por cinco anos a ocupar cargo público.

    Grupo de vereadores apresentaram diversas denúncias aos órgãos competentes. – Foto: Divulgação

    “Nos acórdãos do Tribunal de Contas da União, o controlador estava inabilitado para ocupar cargo ou função de confiança. Pesam contra Lindebergue, acusações de desvio de recursos de prestação de contas, apresentação de documentos falsos, defesa insuficiente para afastar as irregularidades, além de cometimento de irregularidades graves, contas irregulares, débito e multa. A sentença é de 05/09/2012, venceu em setembro de 2017, mais ele foi nomeado pela prefeita”, denunciou Mário Moreira (Jabá), vereador.

    Chamou a atenção dos vereadores de Cacoal, o valor de R$ 600 mil, que foi licitados para poda de árvore e plantio de gramas. A empresa FOX de Porto Velho venceu o certame licitatório, mas em uma visita a Capital do Estado, uma comissão composta pelos vereadores Mário Moreira, Paulinho do Cinema e Castelinho, descobriu que a sede da empresa era em salão de beleza.

    Uma empresa é responsável por poda e plantio de grama e árvores. Mas,, trabalho está insuficiente. – Foto: Divulgação

    “Endereço nada tinha haver com contrato, era um salão de beleza. O município chegou A gastar R$ 99 mil. São tantos absurdos, que a atual gestão estava pagando folha por metro cúbico, se fosse madeira eu até entenderia, agora pagar metro cúbico por folha, isso é um verdadeiro absurdo”.

    Existem denúncias, em que a prefeita Glaucione seria a principal responsável em desestabilizar o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) para privatizá-lo. Entre os apontamentos, equipamentos que foram adquiridos há mais de um ano e não foram instalados. Num total de 10 aerador para oxigenar as piscinas de esgotos e dois conjuntos de bombas, orçados em R$ 190 mil, que também estão parados.

    De acordo com denúncias, a prefeita Glaucione seria a principal responsável em desestabilizar o Saee. – Foto: Divulgação

    O Saae é responsável pelo abastecimento de 39 mil residências, tem uma arrecadação de mais de R$ 1,6 mil por mês, além de tratar o esgoto de 87% do município. A companhia administra também os recursos da coleta de lixo, cobrado nos impostos municipais. Outro agravante denunciado pelos moradores é péssimo serviço prestado pela Coolpeza, que tem contrato desde 2014 com Cacoal.

    “Nós que moramos aqui, estamos sentindo na pele essa falta de respeito para com os moradores. Lixeiras abarrotas lixos não coletados, odor insuportável. Pior, por onde você anda a situação se repete. Para que estamos sem administração na cidade”, desabafou Edwirge Vilhena, dona de casa.

    Nós que moramos aqui, estamos sentindo na pele essa falta de respeito para com os moradores. Lixeiras abarrotas lixos não coletados, odor insuportável. Pior, por onde você anda a situação se repete.

    Nas ruas, é normal ver muito lixo acumulado. – Foto: Divulgação

    “Eu já tive muito orgulho dessa cidade. Hoje é só decepção, não com ela, mas com os gestores. Você não consegue andar nas ruas, sem cair em um buraco e sentir o mal cheiro do lixo que não foi coletado. Isso é ruim tanto para o comércio, quanto para as famílias que correm o risco de adoecer”, lamentou Denis Vilhena, técnico em informática.

    Eu já tive muito orgulho dessa cidade. Hoje é só decepção, não com ela, mas com os gestores. Você não consegue andar nas ruas, sem cair em um buraco e sentir o mal cheiro do lixo que não foi coletado.

    LEIA TAMBÉM

    Gestão de Glaucione não avança em dois anos

    Transporte escolar de Cacoal põe em risco a vida de estudantes

    Ruas e avenidas estão intrafegáveis em Cacoal

    Equipamentos que foram adquiridos há mais de um ano e não foram instalados. – Foto: Divulgação

    A gestão da prefeita de Cacoal também está sendo denunciada por ceder veículos do município para empresa que faz a coleta de lixo, que tem um contrato de R$ 350 mil por mês e não consegue prestar um serviço de qualidade. Para o vereador Jabá, é preciso que outros vereadores se posicionem, pois existem denuncias no Ministério Federal, Ministério Publico Estadual, Tribunal de Contas da União e TCE-RO de crimes ambientais, improbidade administrativa, nepotismo, reconhecimento de dividas e enriquecimento ilícito.

    Para Jabá, a situação da Autarquia é preocupante. “O Saae é a maior empresa do Município. Parece que estão sucateando a companhia para tentar privatizar. Agora mesmo está tentando fazer remanejamento de recursos, cerca de 1,46 milhão, que querem retirar do Saae, o que inviabilizar as condições de trabalho por aqui”, denunciou.

    VEJA GALERIA DE IMAGENS

    A prefeita Glaucione Rodrigues disse que não pretende privatizar o serviço feito pelo Saae. A afirmação é contestada por vereadores.

    https://youtu.be/3iC7pMq0NIU



    Deixe o seu comentário



    Mais sobre Cidades