porto velho - ro, 16 Julho 2018 18:50:29
Polícia

Pouca verba prejudica ações de fronteira

Rondônia é um dos Estados que melhor aplicam os recursos federais na segurança.

Por Ana Kézia Gomes Diário da Amazônia
A- A+

Publicado: 12/01/2018 às 07h10min

Estratégia usada para solucionar o baixo orçamento é evitar realizar operações pontuais (Foto: Jota Gomes/Diário da Amazônia)

Rondônia é delineada por 1.342 quilômetros de fronteira, que vai da divisa com o Acre até Cabixi. Os rios Abunã, Mamoré e Guaporé permeiam esse trajeto, em cuja linha nove cidades fazem fronteira direta com a Bolívia. Além disso, o Estado possui 150 quilômetros considerados como faixa de fronteira que abrange outras 18 cidades. Essas 27 cidades possuem um problema em comum: o escoamento de toneladas de drogas. Atualmente o que mais movimenta capital financeiro é a cocaína, enquanto o maior volume de quantidade produzida é a maconha.

De acordo com tenente-coronel da Polícia Militar André Luiz Glanert, gerente de integração e segurança da Secretaria de Estado da Segurança, Defesa e Cidadania (Sesdec), mesmo com recursos federais e estaduais, os investimentos focados na questão de segurança nas áreas de fronteira ainda é pequeno. “O valor está na casa de poucos milhões de reais. De 2011 a 2016 nós per captamos no Governo Federal R$ 27 milhões para a fronteira”, disse Glanert, explicando que, mesmo que Rondônia seja um dos Estados que melhor aplicam os recursos federais, é muito caro realizar operações, mobilizar efetivo policial e mantê-los bem treinados e equipados. A estratégia usada para solucionar o baixo orçamento é evitar realizar operações pontuais. “A gente prefere reforçar o policiamento nos locais que tradicionalmente são rotas de crimes transfronteiriços. É um combate diário”, explica.

Para 2018 a Sesdec garante ter um projeto audacioso, com pelo menos 12 operações de fronteira, mantendo uma presença mais constantes, preocupando-se com a violência, mortandade de policiais, tráfico de drogas crescente e roubo de veículos. Nas operações contra crimes transfronteiriços são realizadas barreiras com equipes reforçadas em pontos de fiscalização, com isso os agentes param os veículos suspeitos e também aleatórios, verificando as pessoas e os veículos.

Um relatório realizado em 2016 pela Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife) aponta que a América do Sul continua sendo praticamente a única provedora de cocaína dos mercados de uso indevido de drogas em todo o mundo. No Brasil esse mercado da droga é uma alavanca para outros crimes. Isto porque como nem todos os usuários de drogas têm condições de usar eles vão furtar, roubar ou serão vendedores, vão traficar e então entra-se num ciclo de crimes muito grande, por exemplo. Em Porto Velho existe um índice grande de roubo e furto de veículos, cuja finalidade, em sua maioria, é servir como moeda de troca para a aquisição de drogas. “A facilidade para camuflar e desmontar as motocicletas fazem dela o foco atual para essa troca de mercadorias”, destaca Glanert.

O tráfico preocupa de maneira sistêmica porque do Brasil as drogas são exportadas para outros continentes, principalmente porque o país possui o tráfico nacional que sai da fronteira com destino aos grandes centros como Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e o Nordeste, além de um crescente número de dependentes nas cidades que fazem fronteira. “Antes nós chegávamos em Costa Marques e não víamos tantos usuários, assim como em Pimenteiras e Guajará-Mirim, hoje é alarmante. E então começa a crescer o número de furtos nessas localidades”, acentua André Glanert.



Escreva um comentário