porto velho - ro, 30 Setembro 2019 16:35:28
    Economia

    Honda investe R$ 500 milhões na fábrica de motos de Manaus

    Aportes serão aplicados até 2021 para modernizar e elevar a produtividade da planta

    A- A+

    Publicado: 26/05/2019 às 11h25min | Atualizado 26/05/2019 às 11h26min

    Moto Honda da Amazônia vai investir R$ 500 milhões em sua fábrica de Manaus (AM), onde desde 1976 já produziu mais de 24 milhões de motocicletas. Os recursos serão aplicados até 2021 em equipamentos, obras, reposicionamento de linhas e um novo prédio que vai unir todas as operações de produção de motores, com o objetivo de modernizar e aumentar a produtividade da planta.

    O investimento foi formalmente anunciado na fábrica de Manaus na terça-feira, 19, por Issao Mizoguchi, presidente da Honda South America. O executivo explica que os investimentos serão feitos com capital próprio para melhorar a eficiência de processos, manter a planta competitiva e assim reduzir custos de produção, pois no momento não há necessidade de expansão da capacidade ou de contratações.

    A Honda emprega atualmente 6 mil pessoas em Manaus e produz em média 3,7 mil motos por dia, o que representa a metade do pico de 2011, quando a unidade chegou a fazer 6,8 mil unidades/dia e tinha 11 mil funcionários. Das cinco linhas de montagem final, só uma opera em dois turnos, as outras quatro em apenas um turno.

    Em 2018 a Honda produziu 780 mil motos no Brasil, o que representou crescimento de 17% sobre 2017 – ainda muito longe das 1,56 milhão de unidades produzidas em 2011. Este ano expectativa é de nova expansão, mas um pouco menor, em torno de 5%, seguindo a estimativa de avanço médio do mercado doméstico, dominado pela Honda com mais de 80% de participação e responsável por consumir 95% da produção no País – só 5% são destinados à exportação.

    “Ainda estamos longe do melhor momento, mas celebramos em 2018 o primeiro crescimento na produção em Manaus desde 2011. Mesmo trabalhando muito abaixo da capacidade, se não investir nada melhora. Precisamos manter a fábrica competitiva e atualizada tecnologicamente”, disse Issao Mizoguchi.

    Issao Mizoguchi, presidente da Honda South America, ao lado de Wilson Lima, governador do Amazonas, e Alfredo de Menezes Júnior, Superintendente da Suframa: anúncio de investimento de R$ 500 milhões na fábrica de motos de Manaus

     

    MAIS PRODUTIVIDADE

    Os investimentos até 2021 estão focados em melhorar os fluxos produtivos, interligando para reduzir a movimentação de componentes e pessoas. Algumas áreas da fábrica serão realocadas, mas sem paralisar nenhuma linha – todas as transferências serão feitas sem interrupção da produção. A primeira mudança será o agrupamento dos processos de produção de motores, incluindo fundição, usinagem, pintura alumínio e montagem, que serão integrados em um só prédio da nova fábrica de motores.

    A primeira área a ser transferida é a fundição, que nos próximos meses sai gradualmente da área atual de 11 mil metros quadrados e passa a operar em um novo galpão já construído de quase 14 mil metros quadrados. A partir do segundo semestre ocorrerá a transferência dos processos de usinagem para um novo local de 12 mil metros quadrados, que está em obras no momento. O setor de pintura alumínio e a nova linha montagem de motores também ganharão novos prédios dentro do mesmo complexo, que deverão ser concluídos no decorrer de 2020.

    Ao mesmo tempo em que será construída a nova e integrada fábrica de motores, a Honda irá conduzir modernizações em toda a cadeia produtiva da planta de Manaus, incluindo montagem de motocicletas, produção do chassi, fabricação de peças plásticas, processos de soldagem e pintura dos tanques, além dos departamentos de embalagem e expedição.

    “Estamos engajados em tornar a fábrica de Manaus referência em produtividade. Promoveremos melhorias em maquinário, com novos robôs e processos mais atualizados. Esta iniciativa irá proporcionar maior flexibilidade e rapidez à nossa operação”, explica Júlio Koga, vice-presidente industrial da Moto Honda da Amazônia.

    Também estão incluídos no investimento reformas prediais para aumentar o conforto das equipes de trabalho, com ambientes climatizados, mais amplos e arejados. Do ponto de vista ambiental, serão feitas intervenções para aproveitar melhor a iluminação natural e o reaproveitamento de água.

     

    ILHA PRODUTIVA VERTICAL
    A Honda opera sob os benefícios fiscais da Zona Franca de Manaus, que garante isenção de imposto de importação e descontos de IPI, Imposto de Renda e ICMS. Mas a redução dos tributos, segundo Mizoguchi, não se converte em lucro maior, serve apenas para compensar parte dos elevados custos logísticos envolvidos na operação. Cálculos feitos há 10 anos pelo executivo indicavam que uma moto produzida em Manaus custava cerca de US$ 150 a mais do que o mesmo modelo feito no Sudeste do País. Por isso a planta amazonense precisou passar por expansões constantes para internalizar processos, com investimentos somados de US$ 2 bilhões ao longo de seus 43 anos de atividades.

    Localizada em uma espécie de ilha produtiva vertical na região Norte, a fábrica é a mais verticalizada da empresa japonesa em todo o mundo. Por falta de fornecedores, precisou internalizar muitas atividades, como a fundição que transforma 84 toneladas de alumínio por dia em rodas e carcaças, além da produção de componentes, como 75% dos tubos usados nos quadros das motos, 100% das rodas e dos escapamentos (incluindo catalisadores) e pequenas peças. “Isso nos ajuda a reduzir custos logísticos e também diminui a exposição às variações cambiais de itens importados”, pontua Mizoguchi.
    Dos 130 fornecedores diretos, 100 estão a milhares de quilômetros do polo de Manaus. Quase todos os pneus, por exemplo, vêm de Gravataí (RS), na extremidade oposta sul do País; o aço vem de Minas Gerais e Rio de Janeiro. A queda constante do mercado de motos desde 2011 “prejudicou os planos de aumentar o parque de fornecedores locais, mas também é bom ter todos aqui, pois dependeriam só da Honda e isso não é sustentável”, avalia Mizoguchi.
    O executivo afirma que a fábrica de Manaus tem níveis de produtividade parecidos com o dos melhores casos no mundo, mas os custos são mais altos, o que torna as exportações pouco competitivas. Para além das despesas logísticas, como exemplo, ele calcula que um salário de R$ 1 mil, com adição de encargos e tributos, custa para a Honda no Brasil R$ 2,1 mil, enquanto o mesmo salário de R$ 1 mil pago na Tailândia custaria R$ 1,4 mil para a empresa.



    Escreva um comentário