porto velho - ro, 23 Julho 2019 22:41:49
Capital

Chuvas intensas na Bolívia preocupam

Cresce a preocupação com a chegada da água que cai na Bolívia e escorre até o rio Madeira.

Por Redação Diário da Amazônia
A- A+

Publicado: 07/03/2019 às 14h00min

Foto: Divulgação

As fortes chuvas que têm atingido a Bolívia e toda a região Norte do Brasil neste rigoroso inverno amazônico causam preocupação com relação a uma nova enchente nos moldes da histórica cheia de 2014, que trouxe prejuízos a diversos municípios do Estado, especialmente em Porto Velho, Nova Mamoré e Guajará-Mirim.

Em Rondônia, diversos municípios já sofrem com o volume de água e a expectativa para os próximos dias é de muito mais chuva. Cresce a preocupação com a chegada da água que cai na Bolívia e escorre até o rio Madeira.

No mês de fevereiro as regiões do Vale do Jamari, em Ariquemes e Jaru e central, em Ji-Paraná tiveram muitos estragos com as cheias dos rios Jamari, Candeias, Jaru e Machado, mobilizando a comunidade para atender aos desabrigados. Agora a água também atinge os municípios de Cacoal e Candeias do Jamari, que estão em estado de alerta.

CANDEIAS

Em Candeias do Jamari o nível do rio Candeias chegou a 21 metros e 38 centímetros na tarde desta quarta-feira, 06, deixando diversos desabrigados tanto na região urbana como na área rural. Há ainda uma preocupação quanto a elevação do rio, que pode causar ainda mais estragos.

Os atingidos pelas águas do rio Candeias estão sendo retirados de suas casas. Algumas famílias foram para casa de parentes, mas a maioria dos moradores está sendo abrigada em barracas montadas pela Defesa Civil em locais seguros, mas perto de suas casas, pois temem que objetos que não puderam ser retirados sejam furtados.

ISOLAMENTO

Em Nova Mamoré, a 300 quilômetros da capital Porto Velho, depois de ter sido liberado na tarde de terça-feira (5), o tráfego de veículos voltou a ser suspenso totalmente na ponte do rio Araras, na manhã de ontem (06), no km 35 da BR-425. A medida faz parte da tentativa de altear a ponte por causa da cheia do rio, que também recebe águas da Bolívia e que já ultrapassou o nível da rodovia.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, o tráfego sobre a ponte foi suspenso totalmente por volta das 8h da manhã e apenas veículos de emergência estavam autorizados a seguir viagem no trecho. Em nota, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), anunciou que as obras são necessárias para evitar o isolamento terrestre de Nova Mamoré e de Guajará-Mirim.

No último fim de semana as águas do rio Araras ultrapassaram o nível da velha ponte, atingindo a marca de 25 centímetros acima da rodovia.

RIO MADEIRA

Em Porto Velho, ontem, o rio Madeira registrou um recuo de 5 centímetros. Depois de registrar 17,30 metros na medição feita no início da manhã, a Defesa Civil registrou 17 metros e 25 centímetros na aferição feita às 17h15.

A expectativa é de que essa oscilação continue nos próximos dias, até que cheguem as águas dos rios da Bolívia.

Segundo a Defesa Civil não há como mensurar precisamente o aumento do nível do Madeirão com a chegada das águas dos afluentes, mas existe uma preocupação e a observação tem sido constante.

CHEIAS ATINGEM 20 MIL FAMÍLIAS NA BOLÍVIA E DEIXAM 30 MORTOS E 27 DESAPARECIDOS

Continua chovendo intensamente na Bolívia e segundo o Vice-Ministério da Defesa Civil daquele país, o número de famílias atingidas já chega a 19.937 mil, enquanto que 30 mortes são confirmadas e mais 27 pessoas desaparecidas.

As trombas d’água levam cerca de 10 dias para chegarem ao rio Madeira, o que coloca em alerta a população de Rondônia.

O Senamhi (Serviço Nacional de Meteorologia e Hidrologia) mantém o alerta vermelho no trópico de Cochabamba e no Departamento de Beni (fronteira com Rondônia), Pando e as Yungas de La Paz. O alerta laranja continua nas bacias dos rios de Potosí, Chuquisaca, Santa Cruz, Tarija. Em todas essas regiões tem previsão de inundações.

O relatório do Vice-Ministério da Defesa Civil diz que 19.058 hectares de cultivos foram danificados e 182 casas destruídas. Também foi relatado que 21 municípios declararam estado de emergência e 44 áreas de municípios desastre, perfazendo um total de declaração de 65 jurisdições. A instituição mobilizou 177 toneladas de ajuda humanitária, consistindo de ajuda alimentar, vestuário, medicamentos, equipamentos e ferramentas, beneficiando 6.551 famílias.

De acordo com o jornal Los Tiempos, os últimos eventos registrados foram uma tempestade de granizo em Tinquipaya (Potosi), as inundações na Reyes e San Borja (Beni) e no Trópico de Cochabamba. Diversos rios estão em alerta vermelho, incluindo o Mamoré e Beni que formam o rio Madeira, o que gerará elevação das águas em Guajará-Mirim, Nova Mamoré e Porto Velho.



Escreva um comentário