Porto Velho/RO, 31 Agosto 2021 13:20:08

LéoLadeia

coluna

Publicado: 14/08/2021 às 09h58min | Atualizado 14/08/2021 às 10h10min

A-A+

Política & Murupi

Enfim aconteceu o que todos esperavam e numa data que parece ter sido escolhida a dedo: sexta-feira 13 do mês de agosto. Por ordem do..

Enfim aconteceu o que todos esperavam e numa data que parece ter sido escolhida a dedo: sexta-feira 13 do mês de agosto. Por ordem do Ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre Moraes, – manda quem pode ou às vezes até quem não pode, mas obedece sempre, quem tem juízo – a Polícia Federal efetuou a prisão do ex-Deputado Federal, Presidente e principal prócer do PTB, Roberto Jefferson, aliado das unhas às cutículas do presidente Bolsonaro. Sim era não só esperado, mas previsto e creio até que Roberto Jefferson estivesse lançando a isca e esperando o desfecho. Bob Jefferson é uma “cobra má matada” e quando menos se espera ele dá o bote. Advogado, não tem medo de cadeia nem de presos. Conhece por dentro e por fora. Aliás para quem derrubou Zé Dirceu, a cúpula do PT e venceu um câncer, cadeia é cercadinho. Tudo começou com as divergências entre o Presidente Bolsonaro e os ministros do STF e em especial os ministros, Fachin, Barroso e Alexandre Moraes. Escudeiro fiel do presidente, Roberto Jefferson que dá um boi para não entrar numa briga e uma boiada para não sair dela, tomou as dores e passou a utilizar o perfil das redes sociais de sua filha, a ex-Deputada Federal Christiane Brasil para vergastar o lombo dos ministros do Supremo e figuras do Congresso Nacional. Para lembrar, Christiane foi presa, acusada de cometer supostos crimes contra o Ministério do Trabalho e atirou pra todo lado dizendo que ela e o seu pai são perseguidos políticos.

Em vídeos e lives Roberto Jefferson bateu abaixo da linha da cintura assacando contra a honra dos ministros e de outras autoridades anti-bolsonaristas numa linguagem debochada, acompanhada de trejeitos, de caras e bocas que maculava a honra dos adversários e ao citar os ministros do STF falando das suas preferências sexuais, distribuindo-lhes alcunhas pejorativas. Os vídeos por óbvio viralizaram e continuaram aumentando as postagens com mais ofensas e baixo calão, sem que houvesse uma resposta por parte dos ofendidos.

Nem seria preciso dizer, mas o processo judiciário no Brasil obedece a fases ou pré-requisitos para se chegar ao veredito, transitado em julgado que são: a denúncia, conhecimento do crime, investigação, julgamento e sentença, porém, como afirmava o ex-Ministro Marco Aurélio, vivemos tempos estranhos e nesses tempos estranhos não tem sido excepcionalidade que o STF abra  inquéritos, investigue e puna, sem que o devido processo legal tenha sido instaurado e todas suas fases cumpridas, nesse caso inclusive. É claro que o ex-Deputado Federal Roberto Jefferson, o mesmo que ensejou com suas denúncias o surgimento dos casos do mensalão, petrolão e por fim a lava jato, cometeu crime contra a honra dos ministros e que portanto deveria ser processado. Repito, processado sim. Não preso. Prisão é exceção. E muito menos por quem foi ofendido.

Para os mais afoitos, a justificativa é de que a PGR, que desta feita foi cientificada pelo STF não houvesse se pronunciado, só o fazendo depois que a ordem de prisão foi expedida. Entendo como leigo em direito, mas tendo a obrigação constitucional de não desconhecer a lei, que o fato do órgão PGR ou mesmo o titular não ter cumprido o seu dever de ofício, não autoriza o ministro ou a quem quer que seja, dar um seguimento ao processo, atropelando as fases de investigação, julgamento e indo diretamente para a pena maior que é a prisão e ainda mais quando se registram “indícios de crimes” (sic). Não raro ouvimos de juízes e ministros que o ato de encarcerar alguém é uma exceção. Quedo-me em minhas reflexões e parco conhecimento de leis a esperar pelo que virá pela proa já que o estrago na popa foi grande. Mas se existe algo em que acredito é que vivemos tempos estranhos no Brasil e que isso me dá medo e faz retornar minha paranoia dos tempos de chumbo, quando vivíamos também tempos estranhos. Quem viveu na época sabe do que falo. Dá medo.


Deixe o seu comentário

sobre Léo Ladeia

Leo Ladeia é baiano de Itororó, torcedor do Bahia ou um pau rodado que apoitou por aqui. Começou como radialista na Rádio Vitória Régia aos 55 anos. Apresentou o programa Lendas do Rock na rádio Parecis. Na SIC TV como aqui no Gente de Opinião Léo Ladeia fez de tudo. Astronauta, boy, pintor, poeta e pedreiro. Mutante, gosta de experimentar e de desafios, atualmente Ladeia está trabalhando no Rede TV Rondônia, canal 17,do Sistema Gurgacz de Comunicação.