Porto Velho/RO, 02 Março 2024 15:28:37

Larina Rosa

coluna

Publicado: 10/02/2024 às 12h32min

A- A+

Folia com respeito e cuidado

No Carnaval nem tudo é liberado, mas ainda assim é possível curtir a folia

A folia já começou, os bloquinhos estão pelas ruas e enquanto isso a gente faz de tudo para acompanhar e curtir a maior festa popular do mundo. A comemoração de descanso e diversão que tem fama de extravasar os impulsos também traz à tona os costumes desagradáveis do dia a dia que nós mulheres enfrentamos.

Mesmo na folia temos que prezar pela nossa segurança já que nesse período os casos de assédio e importunação sexual aumentam.

Digo e repito, não tem nada de errado em querer vestir uma fantasia, flertar, se divertir com os amigos e família. Errado é quando você se sente desconfortável com alguma palavra, toque ou atitude do outro, ou quando você sente medo de uma violência, ou se está sendo obrigada a fazer algo. Lembre-se: você tem o direito de dizer não e outro tem o dever de respeitar. Caso algo aconteça denuncie o ocorrido para que nenhuma outra mulher não passe pelo mesmo.

Para tentar prevenir casos de assédio ou importunações existem algumas recomendações como andar em grupos com amigos (as) que possam ajudar caso algo aconteça. Também vale combinar um sinal com as amigas para comunicar alguma situação desconfortável. E jamais aceite bebidas de estranhos, dê sempre preferência para lugares próximos a policiais e demais profissionais da segurança.

Os homens também podem ajudar, denunciando e ajudando mulheres caso presenciem estas situações e podem sensibilizar os amigos e familiares sobre o tema.

Entendo que são muitas as recomendações e como é assustador sair para uma festa nessas condições. Mas não podemos esquecer que todas nós temos o direito de curtir a folia. Aos poucos nossa cultura está sendo transformada e os blocos de rua já estão adotando práticas conscientes para responsabilizar casos de assédios e impor respeito aos brincantes.

Não podemos esquecer que é importante ocuparmos lugares, vencer o receio e ficar atentas para ajudar a vencer essa cultura de estupro. Não podemos deixar que esses tipos de violências continuem acabando com a nossa festa, e até com a nossa vida. No Carnaval nem tudo é liberado, mas ainda assim é possível curtir a folia. Para essa festa desejo a todas cuidado e respeito.


Deixe o seu comentário

sobre Larina Rosa

Larina Rosa é natural de Colorado do Oeste, Rondônia. Jornalista, redatora, repórter do Diário da Amazônia que acredita na luta contra a violência de gênero e igualdade de direito das mulheres na sociedade.

Arquivos de colunas