porto velho - ro, 13 Julho 2019 11:33:38

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 15/06/2019 às 12h27min

A- A+

A proposta aparece quando não há solução visível

O futuro da Amazônia É da cultura brasileira, diante de um problema difícil, adiar a solução criando uma “comissão de alto..

O futuro da Amazônia
É da cultura brasileira, diante de um problema difícil, adiar a solução criando uma “comissão de alto nível” para estudá-lo. Depois de um longo e dramático bafafá, a Zona Franca de Manaus já parecia resolvida, mas agora a Secretaria de Produtividade, Emprego e Competitividade, de alto nível, propõe o Plano Dubai, que seria a solução final.

A proposta aparece quando não há solução visível para o mar de confusões que envolvem o núcleo familiar do presidente Jair Bolsonaro, o contorcionismo do superministro Paulo Guedes para emplacar a reforma da Previdência sem desidratação.

Bem-intencionado é o mínimo a dizer sobre o Plano Dubai. Não comete o desatino de acabar com a ZF numa penada, como Guedes queria. Mas citar as boas intenções é também o máximo a cogitar sobre o PD, por ora, até que tudo seja medido e pesado para além dos laboratórios dos técnicos.

Estimular polos econômicos para que até 2073 às empresas garantam recursos equivalentes aos subsídios hoje concedidos à ZF sai do imediatismo conjuntural e mira o futuro. Dubai começou a construir um destino escolhido ao imaginar o que virá quando os recursos finitos de petróleo e gás acabarem. Fazer o mesmo pela Amazônia e pelo Brasil parece sensato. Ao debate!
…………………………………………
O encontro
Desafetos políticos na década de 80, os ex-prefeitos de Porto Velho Sebastião Valadares e José Guedes se encontraram durante a cerimonia de inauguração do Prédio do Relógio, na sexta-feira, no novo Paço Municipal e aprovaram a reforma do prédio histórico e a mudança feita pelo atual alcaide que vai valorizar todo o centro histórico. Valadares se aposentou na política, Guedes ensaia um retorno.

Em Candeias
A eleição suplementar de 7 de julho em Candeias do Jamari já mobiliza a vizinha comunidade. Estive por lá no final de semana acompanhando o desempenho do pedetista Valteir que tem a maior aliança da peleja. O prefeito tampão Lucivaldo Fabricio de Melo (DC) leva peia dos oposicionistas, mas tem apoio do cacique Garçon. O ex-deputado Ribamar Araujo espera surprender.

Punhal da traição
Nos meios políticos ainda é comentado o punhal da traição aplicado pelo ex-tampão Daniel Pereira no seu mentor Mauro Nazif, atual deputado federal. Quando Pereirinha tinha virado um Mané, depois de tantas derrotas foi Nazif que o acolheu, indicando para ele ser vice de Confúcio, promovendo sua ressureição política. Em troca, como se viu,
Nazif foi apunhalado.

Confronto em 2010
E o traido Mauro Nazif (PSB) e o traira Pereirinha (Solidariedade) devem se enfrentar na disputa pela prefeitura de Porto Velho no ano que vem. Pelo que se sabe a ruptura entre os dois foi também por espaço político. Aliados revelam que no PSB, Pereirinha não teria como oficializar sua postulação, já que a legenda é controlada pelos Nazifs.
Gratidão e lealdade na política são coisas do passado…

Em Ariquemes
E o Solidariedade, de Pereirinha, quer firmar o pé no estado conquistando as prefeituras dos principais polos regionais. Além da capital, onde o próprio ex-governador pode entrar na paradas, o partido já tem candidato definido em Ariquemes, que é o ex-deputado estadual Jidaias Tziu. Em Ouro Preto do Oeste o ex-prefeito Carlos Magno. Sindicalistas e cassolistas se uniram no Solidariedade.

Via Direta
A corrida imigratória rondoniense é majoritariamente de trabalhadores da construção civil para os Estados Unidos e de garotas de programa para Portugal e Espanha. Segue uma tendência dos anos 90 quando a economia estadunidense e ibérica andava bem das pernas. Enquanto os petistas se descabelam, fazendo tempestade em copo de água, a popularidade do ministro Sérgio Moro continua subindo pelo Brasil afora. A população
ainda fecha com os xerifes, não com os bandidos.


Escreva um comentário

Arquivos de colunas