porto velho - ro, 12 Fevereiro 2019 20:40:42

Carlos Sperança

coluna

Publicado: 12/02/2019 às 08h45min | Atualizado 12/02/2019 às 20h31min

A- A+

As águas do Rio Madeira estão subindo rapidamente

A estação científica A Torre Eiffel se ergueu para festejar o Centenário da Revolução Francesa, em 1889. Outra torre famosa, a..

A estação científica

A Torre Eiffel se ergueu para festejar o Centenário da Revolução Francesa, em 1889. Outra torre famosa, a função da Elizabeth Tower é destacar o Big Ben, o grande sino por trás do relógio de quatro faces que aparece nos filmes sobre Londres.

A Amazônia também possui uma torre que faz a diferença para o mundo, mesmo sem aparecer em tantos filmes quanto as mais famosas. Com 325 metros de altura, e ainda mais alta que a Eiffel, a Torre Alta da Amazônia, a 150 km de Manaus, destaca a Estação Científica do Uatumã.

Ali foram instalados equipamentos de amplo alcance para a análise das concentrações de dióxido de carbono (CO²) e outros indicadores. A importância da Torre Alta, além de fornecer dados para o conhecimento preciso da região, está em viabilizar o projeto GoAmazon.

Já com um acervo acumulado de descobertas sobre a floresta e sua relação com mudanças climáticas, coletou dados que comprovam o agravamento do aquecimento global.

Quando o mundo que tanto prega a preservação da Amazônia souber disso talvez tenha a Torre Alta na mesma conta positiva das torres Eiffel, Big Ben e de Pisa. As duas últimas, mesmo tortas, são amadas pelos ingleses e italianos. A Torre Alta, perfeita, merece a mesma consideração.

………………………………………

Sob ameaça

A região portuária de Porto Velho, tão prejudicada pela cheia histórica de 2014, esta sob ameaça de novos prejuízos neste início do ano com as águas do Rio Madeira subindo rapidamente. A economia do centro histórico já tão prejudicada nos últimos anos, com isto, poderá sofrer um novo abalo, uma vez que o movimento do comércio da região do Cai N’Água ainda segue em recuperação.

Com pendências

Com pendências na justiça, pelo menos três deputados estaduais da atual legislatura vão enfrentar o assédio dos seus suplentes, voduzando para que caiam logo do poleiro de uma vez. São os deputados Jair Montes (Porto Velho), Edson Martins (Urupá) e Ezequiel Neiva de Carvalho (Cerejeiras). Mas tem outros casos de substituições na atual legislatura por ações na justiça eleitoral.

Os ex-prefeitos

Enrascados com a justiça até o talo em vista dos malfeitos que vieram a publico no transcorrer de 2018, uma carrada de ex-prefeitos rondonienses tenta se esquivar dos longos braços da lei. È certa a condenação de pelo menos mais meia dúzia, tudo num cipoal de rabos amarrados com empresários e funcionários corruptos que começaram a abrir o bico em delações premiadas.

Como veteranos

Com a experiência já vivenciada na vida pública, seja em mandatos eletivos ou em cargos estaduais, alguns deputados federais novatos já começam a legislatura atuando como veteranos, casos de Leo Moraes (Podemos), Jaqueline Cassol (PP), de Silvia Cristina (PDT). O aprendizado mais adiante vai sinalizar também a necessidade deles agirem em bloco.

Costurando

O ex-governador tampão Daniel Pereira (PSB) já estaria costurando alianças para pleitear a sucessão do prefeito Hildon Chaves (PSDB) nas eleições do ano que vem. Pereirinha, que tem força no funcionalismo público e no segmento empresarial, espera aumentar o leque de alianças para fortalecer seu projeto já que terá adversários cascudos pela frente, tipo Leo Moraes (Podemos) e o próprio Hildon Chaves que não quer largar o osso.

 

Via Direta

*** As queixas contra o brutal aumento de energia e a Aneel se multiplicam por todo o País *** Pelo que se vê, reverter a situação de Rondônia e Acre será um baita desafios, mesmo com Rondônia abrigando três hidrelétricas *** Ainda com 22 medidas provisórias para serem votadas, o Congresso Nacional esta formando suas comissões técnicas *** Os parlamentares mais cascudos brigam a dentadas pelos organismos mais  importantes das duas casas de lei.


Escreva um comentário

Arquivos de colunas