Porto Velho/RO, 09 Março 2020 08:33:24

CarlosSperança

coluna

Publicado: 09/03/2020 às 08h33min

A-A+

Atacar ou defender a ZF é um direito de cada um

Atenção aos limites Há um entendimento segundo o qual a Zona Franca de Manaus e a democracia estão sob ataque, enfrentando grupos..

Atenção aos limites

Há um entendimento segundo o qual a Zona Franca de Manaus e a democracia estão sob ataque, enfrentando grupos solertes que tentam pôr fim às duas. Os mais pessimistas perguntam qual sucumbirá antes, mas não faz sentido considerar a democracia, valor perene do Estado brasileiro, no mesmo patamar da Zona Franca, arranjo feito para ser provisório.

Atacar ou defender a ZF é um direito de cada um. Garante-se na livre expressão, direito humano inquestionável. Já atacar a democracia é crime contra a Nação, o povo brasileiro e a humanidade. Cláusula pétrea constitucional, é dever de civis e militares defendê-la com todas as suas forças.

Como ser contra ou a favor à ZF depende da livre expressão, é um fato que ela está sob ataque. Contra a vontade de muitas forças poderosas, inclusive no Palácio do Planalto, chegou aos 53 anos, metade de sua provável existência, enfrentando até a lógica: era urgente em 1957, por ocasião do primeiro decreto, mas teve que esperar até 1967 para se viabilizar de fato. 

Como tardou dez anos para existir, é justo supor que se mantenha pelo mesmo período em observação para aferir, social e economicamente, até quando deve ser mantida. O limite da ZF é a equalização do desenvolvimento nacional. Quando o Brasil funcionar, não será mais necessária. Se chegar a 2073 é porque o país, àquela altura, ainda não conseguiu tirar o pé do buraco. 

……………………………………………………

O protagonismo

O PSL do governador Marcos Rocha e do deputado estadual Eyder Brasil e o Aliança Pelo Brasil do empresário Bagatolli disputam o protagonismo do movimento pró-Bolsonaro contra o Congresso Nacional programado para sair as ruas no próximo dia 15. Podem brigar por nada:  Como o presidente Jair Bolsonaro e os Congressistas se aproximaram depois do entendimento sobre os recursos oriundos das emendas impositivas, a mobilização poderá perder força na semana que vem.

Alto clero

Já investido no alto clero do Congresso Nacional, assumindo a liderança do Podemos e cargos estratégicos nas comissões técnicas legislativas, o deputado federal Leo Moraes reluta em assumir a candidatura à prefeitura de Porto Velho, mesmo considerado o favorito na atual jornada. Seu partido está dividido: o Diretório Nacional pleiteia que permaneça onde está para ser lançado ao Senado ou ao Governo em 2022. Já, as lideranças locais não desistem de vê-lo disputando a cadeira do alcaide Hildon Chaves numa bela revanche. 

Novo endereço

Com mais espaço para tratar das eleições municipais que se avizinham, o Diretório Municipal do PDT de Porto Velho desligou-se da sede regional (Bairro São João Bosco) e começa a funcionar agora nas Pedrinhas, próximo ao CPA , Assembleia Legislativa e demais poderes no  Centro Cívico de Rondônia. Já na primeira reunião no final da semana o presidente Ruy Mota exortou mobilização de toda a militância para a peleja de outubro.

Penca de obras

Para combater a imagem negativa provocada pela estação das chuvas, o prefeito Hildon Chaves (PSDB) lançou uma penca de obras que já estão em andamento pelos bairros mais populosos da capital. Temos drenagem, operação limpeza e tapa-buracos, encascalhamento, reformas, desentupimento de bueiros e canais, etc, etc. É um inverno rigoroso, mas mesmo assim o alcaide tucano não se intimidou com os problemas. E mostrou que é mais candidato a reeleição do que nunca embora tenha negado a intenção.

Cruz e a espada

Estão colocando a espada na garganta do prefeito Hildon Chaves (PSDB). De um lado o ex-deputado federal Lindomar Garçon e os bispos da Universal dando um ultimato para o alcaide definir seu vice – no caso Garçon – de outro o PSD querendo Tessari de vice. Em ambos os casos existe uma ameaça: “ou serei indicado vice, ou saio candidato a prefeito”, como concorrente. Acho que os dois vão tubular gloriosamente com os ultimatos, Hildon prefere uma mulher de vice – e ela já foi escolhida. 

Via Direta

*** O senador Acir Gurgacz, presidente estadual do PDT começa a discutir com lideranças municipais o projeto do partido para as eleições de outubro***As estradas da Penal, Belmont, da Areia Branca em Porto Velho estavam repletas de atoleiros na semana passada, prejudicando o escoamento agrícola *** Em Porto Velho, o presidente da Associação dos Cornos, Pedro Soares busca um vice pra disputar a prefeitura da capital. Ele pretende receber votos de protestos na temporada *** Se contabilizar para sí todos os cornos da capital, ele terá passagem garantida para o segundo turno, numa grande final*** O  ex-vereador Cabo Anjos esta pavimentando sua volta a Câmara de Vereadores da capital  agora integrando os quadros do PSD*** Esta será uma eleição repleta de radialistas, apresentadores de TV, pastores evangélicos e militares*** Eles já estão se trombando pelas ruas na caça aos votos.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas