porto velho - ro, 09 Novembro 2019 11:48:43

    CarlosSperança

    coluna

    Publicado: 09/11/2019 às 08h31min | Atualizado 09/11/2019 às 11h48min

    A-A+

    Brasil perdeu muitas oportunidades para ser uma potência

     Chances perdidas O Brasil perdeu muitas oportunidades para ser uma potência. Uma das primeiras foi o insucesso do partido secreto de..

     Chances perdidas

    O Brasil perdeu muitas oportunidades para ser uma potência. Uma das primeiras foi o insucesso do partido secreto de Carlota Joaquina (1775–1830): depondo João VI e aliada aos franceses de Napoleão, ela seria a líder do maior império do mundo, formado pela Península Ibérica e a América do Sul.

    Antes ainda, em 1650, segundo Darcy Ribeiro, o valor da produção brasileira era maior que da inglesa. “Fomos criados para produzir o açúcar que adoçava a boca do europeu, o ouro que o enriquecia e continuamos produzindo a soja para engordar o porco na Alemanha. Enquanto não fizermos o país existir para si, seremos um país-problema”. 

    Nesse mesmo tom, o engenheiro florestal Tasso Azevedo, da MapBiomas, afirmou há pouco que o “o Brasil não vai ser potência militar, nem cultural, não é potência econômica nem tecnológica, mas poderia ser potência ambiental. Essa é a agenda do mundo agora, e a gente a está jogando no lixo”.

    Uma boa diplomacia poderia ter aproveitado a nova chance, mas um dos erros que levaram a tantos desperdícios foi sempre esperar tudo do governo. O Congresso dribla os problemas com um “parlamentarismo branco”. Com uma agenda sustentável, a sociedade brasileira ainda pode ser uma potência ambiental. Só que isso depende da união de empresários, ongs, cientistas e instituições governamentais. Desunidos, chances perdidas.  

    ………………………………………………

    Boi na linha

    Durante a semana ao longo das manifestações de índios e cara-pálidas na Câmara de Vereadores de Porto Velho contra o prefeito Hildon Chaves (PSDB) lá estava o vice-prefeito rompido com a atual administração tucana Edgar do Boi (DC) marcando posição contra a atual gestão e já sinalizando que ambiciona a cadeira do alcaide nas eleições do ano que vem. Os vices têm sido verdadeiras pedrinhas no sapato dos titulares.

    Zona de expansão

    Com uma Zona de Expansão se espichando para todos os lados, dificilmente o novo Plano Diretor de Porto Velho vai atender as preementes necessidades das invasões que já se transformaram em bairros populosos. Seja no Monte Sinai, Porto Cristo, Airton Sena, Renascer e Dilma Roussef, ou nos povoados nascendo nas margens da BR 319 depois da ponte sobre o Rio Madeira os problemas são os mesmos: água, eneregia, galerias fluviais, saúde, etc.

    Perdas com leite

    As populações dos estados do Mato Grosso, Rondônia e Acre seguem em pé de guerra contra a Energisa que assumiu o controle acionário das empresas falidas nestes estados. De lá para cá os problemas se acumulam, as reclamações aumentaram e também as comunidades localizadas na zona rural gritam com as interrupções causando prejuizos, sobretudo com a produção do leite que acaba perdida pela falta de refrigeração.

    Em Ji-Paraná

     O ex- vereador Isau Fonseca, possivelmente será o candidato do MDB em Ji-Paraná na peleja pelo Palácio Urupá. O partido acertou a mão na escolha do seu ungido por que os adversários já constataram que se trata de um nome competitivo para enfrentar o prefeito Marcito Pinto (PDT), o deputado estadual Laerte Gomes (PSDB), o ex-secretário Ari Saraiva (PP), entre tantos nomes já cogitados para a disputa.

    Bom desempenho

    O PRB, que mudou recentemente a denominação para Republicanos pode lançar o ex-deputado federal Lindomar Garçon para a disputa da prefeitura em Porto Velho. Ocorre que os bispos da Universal, que detém o controle do partido em todo o País, estão satisfeitos com o desempenho de Garçon nas primeiras sondagens eleitorais que colocam seu representante no Top 5 desta da eleição que se avizinha.

    Via Direta

     *** Chove chuva, que o alcaide de Porto Velho esta viajando para a Coréia e só volta na semana que vem*** Portanto fora de alcance do chumbo oposicionista que já começou e promete seguir sem trégua até outubro do ano que vem*** O PSL do governador Marcos Rocha tenta aparar arestas na legenda para as eleições municipais de 2020*** O mais dificil é fazer o deputado estadual Eyder Brasil e o federal Crhisóstomo tomar tacacá na mesma mesa*** Os partidos começam a formatar nominatas a vereança para 2020. Encontrar mulheres para a disputa tem sido um baita desafio*** Da minha série melhores do ano, a minha indicação para melhor vereador na capital é para o edil Alex Palitot (PTB)*** O prefeito Hildon Chaves esta se armando até os dentes para enfrentar o desgastante inverno amazônico*** Mais caçambas, mais máquinas pesadas, mais veiculos de varrição, mais tatuzões foram incorporados ao maquinário para desobstruir bocas de lobo, canais e igarapés. 


    Deixe o seu comentário

    sobre Carlos Sperança

    Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

    Arquivos de colunas