porto velho - ro, 21 Setembro 2019 14:54:24

    CarlosSperança

    coluna

    Publicado: 27/08/2019 às 09h29min | Atualizado 27/08/2019 às 09h32min

    A-A+

    Desgastado, PSL não deve chegar em 2020 como o furacão de 2018

    Nosso principal ativo Com o Brasil sob ataque, é a hora de unir a nação e vencer a agenda negativa da polarização que alimenta..

    Nosso principal ativo
    Com o Brasil sob ataque, é a hora de unir a nação e vencer a agenda negativa da polarização que alimenta confrontos em prejuízo de todos. Sendo a Amazônia o assunto mais importante do mundo, hoje, o Brasil deveria aproveitá-la para receber a adesão solidária das nações amigas. Atrair rancores e boicotes faz mal ao agronegócio, setor precisa ser protegido pelo potencial de se encadear com a indústria, comércio e serviços para promover o arranque final rumo ao desenvolvimento.
    O foco central é o princípio de proteger a floresta combatendo os criminosos que a agridem em troca de apoio real ao desenvolvimento econômico nacional. Isto será vital para a superação das desigualdades que afetam ao redor de 50 milhões de pessoas, entre desempregados, desalentados e incapacitados.
    Negar o que já não pode mais ser negado depois que a Nasa entrou no circuito não funciona como tática publicitária. Reagir à desmoralização do país no exterior requer sabedoria para estabelecer um chamado à unidade nacional para debater e negociar um projeto para o Brasil.
    A Amazônia é inegavelmente nosso principal ativo e precisa ser posta no tabuleiro do debate mundial de modo positivo, para que ninguém se atreva a querer comprá-la como se fosse uma Groelândia.
    ………………………………………..
    Barco furado
    Já existem indícios de que o PSL do presidente Jair Bolsonaro está se desgastando muito e não deverá chegar as eleições municipais do ano que vem como o furacão do pleito passado. Brigas internas da base aliada, distanciamento de alguns partidos, ações polêmicas, encrencas seguidas com aliados e o recente desgaste causado com a Amazônia motivam esta projeção.

    Fusão parada
    A propalada fusão entre PSDB, Democratas e PSD ainda não iniciou nas instâncias inferiores das agremiações. As negociações seguem entre os cardeais nacionais das legendas por insistência do presidenciável tucano, João Dória, maior interessado de que se a união se concretize. Para as eleições municipais do ano que vem esta difícil de valer a carta de intenções iniciada para fusão das legendas.

    A infestação
    Donos de um grande pedaço da Amazônia, com suas Guianas, França, Inglaterra e Holanda também estão com os olhos voltados para a região, mas com posições diferentes com relação às negociações comerciais com os países do Mercosul. Outra preocupação das nações europeias é com a invasão de garimpeiros brasileiros na porção amazônica colonizada por eles. A infestação já é enorme.

    Pontapé inicial
    Com a presença dos cardeais socialistas, deputado federal Mauro Nazif e seu assessor legislativo, o ex-prefeito de Ji-Paraná Jesualdo Pires, o PSB deu o pontapé inicial para as eleições municipais do ano que vem com um grande encontro na região central, reunindo representantes dos diretórios de 35 municípios rondonienses. O partido quer reconquistar as prefeituras de Ji-Paraná e Porto Velho em 2020.

    A influência
    Com eleitorado jovem crescente e já se constituindo numa decisiva força política em Rondônia, os políticos mais jovens já tem levado vantagem sobre os “macacos velhos” em pleitos recentes. O segmento refletiu no último pleito com a eleição da maioria de deputados estaduais e federais mais jovens. A tendência deve seguir em 2020. Que os “cascudos” fiquem de barbas de molho…

    Via Direta
    *** Redes internacionais de televisão estão cobrindo a tragédia das queimadas na região amazônica ***O município de Porto Velho engatinha no turismo, mas em contrapartida avança forte no agronegócio *** Começa a temporada das ventanias em Rondônia. Os donos de casas do ramo que vendem e reparam as calhas em telhados é que vão se dar bem *** Os governadores da Amazônia, conseguiram mais apoio do Planalto para as queimadas, depois de serem maltratados e acusados de omissos.


    Escreva um comentário

    sobre Carlos Sperança

    Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

    Arquivos de colunas