Porto Velho/RO, 05 Novembro 2020 09:36:07

CarlosSperança

coluna

Publicado: 05/11/2020 às 09h31min | Atualizado 05/11/2020 às 09h35min

A-A+

Ficou difícil aos candidatos, na crise geral da pandemia

O marqueteiro e o inseto Ficou difícil aos candidatos, na crise geral da pandemia, arriscar a vida no contato direito com os eleitores e..

O marqueteiro e o inseto

Ficou difícil aos candidatos, na crise geral da pandemia, arriscar a vida no contato direito com os eleitores e lhes transmitir sincera confiança em um futuro melhor, como percebeu no remoto grotão o candidato a vereador que trazia seu inseparável notebook e um especialista em marketing digital.

Ao encontrar o caboclo apoiado na enxada e se estapeando por causa dos mosquitos, o assessor de voz empostada anuncia que o chefe trará sustentabilidade para todos. O caboclo, entre um tapa e outro nos carapanãs, retruca: “Sustentar, eu já me sustento. Quero ver darem um jeito nesses mosquitos”.

Em São Paulo, cuja riqueza permite experimentar as soluções mais caras e avançadas, está em testes máquina criada pela Nasa que não caça ETs, mas suga pernilongos. É o contrário do que fazem os sertanejos, para os quais mais vale uma citronela afastando que máquina de astronauta puxando os bichos.

Com o calor maior, as infestações de insetos se espalham pelo país justamente quando os candidatos às câmaras municipais chegam para a visita quatrienal aos domicílios dos eleitores com a pele cheia de picadas, a cabeça decorada com as inteligentes estratégias dos marqueteiros e escassas soluções reais para os problemas dos eleitores. Nestas eleições, candidato sem soluções para o calor, o carapanã e a perda de renda fará melhor em voltar no futuro com as respostas que o povo realmente quer ouvir.

……………………………………………………

Eleições 2020

A menos de duas semanas da eleição em Porto Velho, o índice de indecisos segue muito elevado. Isto significa que pode ocorrer uma daquelas viradas históricas que estão ficando cada vez mais frequentes na capital rondoniense nos últimos dias de eleição. Enquanto isto as pesquisas vigentes avalizam a realização de uma eleição em dois turnos com um primeiro pelotão de candidatos formado por Hildon Chaves (PSDB), Vinicius Miguel (Cidadania), Cristiane Lopes (PP), Breno Mendes (Avante) e Lindomar Garçon (Republicanos). A zebra da campanha, em gestação, não foi identificada ainda pelos institutos de pesquisas.

A performance

O Partido Verde, liderado no estado pelo cacique Luizinho Goebel está em condições de faturar as prefeituras em Vilhena com a reeleição de Eduardo Japonês e em Machadinho do Oeste com Marinho da Caerd. Já bem enraizado no cone sul do estado, o partido busca se espichar no médio Guaporé e Vale do Jamari. Em Porto Velho os verdes ainda precisam ganhar asas, já que nem candidatura própria teve. Mas com prestigio, Luizinho prepara novos voos na política estadual em 2022.

Grandes favoritos

Os maiores favoritos da temporada estão na Bacia Leiteira. Em Jaru, o projeto de eleição do prefeito Joãozinho Gonçalves é considerado batata. Em Ouro Preto do Oeste, temos outro grande favorito, o biliardário Alex Textoni que já foi deputado estadual e prefeito do município em duas oportunidades e agora retoma sua carreira política visando se projetar para o pleito de 2022. A eleição mais complicada, com o maior equilíbrio de forças está em Ariquemes com Tziu Jidaias (Solidariedade), Lucas Follador (DEM) e Carla Redano (Republicanos).

Tem escuderia

Os tucanos estão desconfiados de que o candidato a prefeito Leonel Bertolim (PTB), que tem o vice indicado pelo atual vice-prefeito Edgar do Boi (DC), está fazendo escuderia para a campanha de Breno Mendes (Avante), candidato de grande mobilização nos últimos dias e buscando polarização com o prefeito Hildon Chaves (PSDB) na campanha na capital. Se Bertolim é candidato de escuderia não se sabe, mas seu escritório jurídico trabalha na impugnação do alcaide tucano.

Segunda onda

Pelo o que se sabe Manaus e Florianópolis já vivencia uma segunda onda do covid, seguindo o que já começou em vários países europeus como Inglaterra, França, Espanha e Itália. Em Porto Velho, não tarda, já que a desobediência ao isolamento social e o uso da máscara nesta campanha eleitoral está infestando centenas de formiguinhas e tamanduás, fato que deve causar grande impacto na pandemia nas próximas semanas.

Via Direta

*** Em Rondônia é assim: pobre pega cadeia pesada, apanha e é achincalhado nos programas policiais e os políticos corruptos vão para o centro de correição da Polícia Militar e tratados a pão de ló com frigobar e visitas intimas*** Como na idade média, os nobres (hoje a casta dos políticos) podiam tudo, dos aldeões obrigados até ceder as filhas virgens para os duques, condes, viscondes. Era coisa de louco para os privilegiados *** Trocando de saco para mala: a região enfrentou nesta temporada uma das piores estiagens de todos os tempos, uma tendência verificada também nos estados da região sul*** O que o futuro nos reserva, com tanto desmatamento, tanta queimada e tantos outros vírus surgindo de tempos em tempos? *** A impressão que dá é que a segunda onda do covid está chegando em Rondônia. Salve-se quem puder!


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas