Porto Velho/RO, 15 Maio 2020 08:41:43

CarlosSperança

coluna

Publicado: 15/05/2020 às 08h01min | Atualizado 15/05/2020 às 08h41min

A-A+

Região da Sete de Setembro em Porto Velho atravessa um momento difícil

Uma nova cara A simples remoção dos camelôs e a limpeza e desinfecção da Praça Jonathas Pedrosa no centro histórico de Porto Velho..

Uma nova cara

A simples remoção dos camelôs e a limpeza e desinfecção da Praça Jonathas Pedrosa no centro histórico de Porto Velho deu uma nova feição a Av. 7 de Setembro tão penalizada pelo fechamento de estabelecimentos comerciais e já marcada pelo desemprego. A medida também faz parte da revitalização do centro histórico abandonado pelas últimas administrações e algumas ações como a retirada dos ambulantes, que transformaram o logradouro num verdadeiro antro, realmente era uma necessidade.

O prefeito Hildon Chaves que trata da revitalização do centro tradicional com as obras no complexo da Estrada de Ferro Madeira Mamoré teve na transferência da sede da prefeitura de Porto Velho para o prédio do relógio uma ação marcante, num pontapé inicial da transformação do centro histórico. Com a pandemia do coronavirus, os projetos do alcaide em consonância com a associação comercial e Câmara dos Diretores lojistas acabaram interrompidos, mas com certeza vão voltar em breve.

A região da Sete de Setembro em Porto Velho atravessa um momento difícil. De um lado, como zumbis, os drogados, mendigos e doidos varridos dominam a noite num grande perigo para os moradores que se vêem as voltas ainda com centenas de presidiários foragidos ou com mandados de prisão em aberto circulando. Naquele circuito dentistas, advogados e médicos tiveram suas clinicas assaltadas sendo alvo de muita violência. Muitas lojas fecharam as portas mudando para outros bairros. A expectativa no entorno das antigas sedes da prefeitura e do antigo Palácio Presidente Vargas é que a região ganhe uma nova cara até o final da atual gestão.

……………………………………………………..

O adiamento

Das bandas do Supremo vem a informação que só haverá adiamento das eleições municipais de outubro caso a pandemia não recue até o final de junho. Mas com o flagelo do coronavirus ganhando proporções e o Brasil se transformando agora no epicentro da doença no mundo, o próprio Congresso Nacional abrirá as discussões em torno da mudança do pleito nas próximas semanas. Vários deputados federais e senadores já se manifestaram a respeito.
Forças armadas

Nunca se sabe ao certo se as políticas anunciadas pelo governo federal vão durar mais que dias ou semanas, mas por ser uma providência urgente, fundamental e cercada de ampla aprovação em todos os extratos da população, não há como duvidar da já decretada ação das Forças Armadas na Garantia de Lei e Ordem (GLO) na Amazônia, que começou agora e vai até junho.

As tarefas

A certeza vem de que o decreto é assinado, além do presidente Jair Bolsonaro, pelos ministros da Justiça, André Mendonça; da Defesa, Fernando Azevedo e Silva; do Meio Ambiente, Ricardo Salles; e do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno. Sendo o primeiro de sua gestão, poderá inscrever Mendonça na história logo de saída caso a ação dê conta das tarefas para a qual está determinada: combater focos de incêndio, prevenindo e castigando crimes ambientais, como o desmatamento ilegal.

Mês decisivo

Diante das frequentes reversões de expectativa verificadas neste país, sobretudo quando a nova política e a velha política se abraçam para proteção mútua, o melhor a esperar é um grande sucesso para essa nova GLO, cujo alcance se estenderá pela faixa de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e terras públicas diversas. O mundo todo está à espera das boas notícias que essa formidável ação poderá apresentar nesse mês decisivo para o futuro do Brasil.

Trata Brasil

Novo levantamento o Instituto Trata Brasil a respeito de saneamento básico coloca nossa amada Porto Velho em patamares sofríveis e terceiro-mundistas. Como temos menos de cinco por cento de cobertura na coleta de esgoto, a capital rondoniense padece com o posto de lanterninha no quesito, entre as capitais influenciando na péssima qualidade de vida dos seus 550 mil habitantes, cuja metade ainda sofre com a distribuição de água encanada. É coisa de louco!

Via Direta

*** Entra mais uma vez em discussão a MP 910 que trata da regularização fundiária apelidada pela esquerda de MP da Grilagem *** São 970 mil famílias no País a espera da legalização das suas propriedades. Só em Rondônia cerca de 100 mil colonos *** Sendo que no estado de Rondônia apenas 80 propriedades rurais foram tituladas através da MP *** Entrando em vigor com atraso e caso não haja colaboração da população, o Plano de Ação governista para o combate ao coronavirus vai se transformar em mais um plano cebolinha nestas bandas *** Em Porto Velho, com tanta desobediência ao isolamento social nem o chamado lockdow, o bloqueio total das atividades dará jeito. O planejamento já começa ameaçado *** Mesmo porque o bloqueio já funcionando em Belém, São Luiz e Fortaleza, também não consegue melhores resultados *** E com isto o flagelo vai ganhando proporções terríveis em solo brasileiro.


Deixe o seu comentário

sobre Carlos Sperança

Um dos maiores colunistas político do Estado de Rondônia. Foi presidente do Sinjor. Foi assessor de comunicação do governador José Bianco entre outros. Mantém uma coluna diária no jornal Diário da Amazônia.

Arquivos de colunas